73 pessoas morrem em incêndio na África do Sul

Incêndio deixa ao menos 73 mortos e dezenas de feridos em Joanesburgo

Fogo atingiu prédio de cinco andares na cidade da África do Sul; autoridades investigam causas

Ao menos 73 pessoas morreram e outras 52 ficaram feridas nesta quinta-feira (31) em um incêndio que atingiu um prédio de cinco andares no centro de Joanesburgo, na África do Sul. Trata-se de um dos incidentes mais letais do tipo no país em décadas.

O incêndio começou durante a noite, e as causas são desconhecidas, segundo o porta-voz do Serviço de Gestão de Emergências, Robert Mulaudzi. Ao menos sete crianças estão entre os mortos, incluindo um bebê com menos de dois anos. A maior parte das vítimas foi intoxicada por inalação de fumaça.

Imagens transmitidas pela TV local mostram vários caminhões de bombeiros e ambulâncias ao lado de fora do prédio, que foi isolado pela polícia. O fogo foi controlado, e as buscas continuam. Algumas vítimas ficaram irreconhecíveis devido às queimaduras, de acordo com os socorristas.

“Estamos avançando, andar por andar, para recuperar os corpos”, disse Mulaudzi. “É um dia muito triste para Joanesburgo […]. Em mais de 20 anos de serviço nunca vi algo assim.” Dezenas de corpos carbonizados foram enfileirados e enrolados em lençóis numa rua próxima ao local do incêndio. O prédio atingido pelas chamas fica num bairro que já foi comercial e hoje recebe poucos recursos do Estado.

Um homem de 25 anos que sobreviveu ao incêndio e se identificou apenas como Leo morava no segundo andar. Ele escapou com a mãe pelas escadas. “Estava escuro e havia fumaça. Não dava para ver nada.”

Segundo a emissora Newzroom Afrika, o prédio havia sido abandonado, mas foi ocupado por famílias em situação vulnerável. Mgcini Tshwaku, membro do comitê municipal responsável pela segurança pública, disse que o uso de velas para iluminar o interior do edifício pode ter dado início às chamas.

“Muitas pessoas podem ter ficado presas quando o fogo começou. Dentro do prédio havia um portão [de segurança] que estava fechado, para que as pessoas não conseguissem sair”, afirmou ele. “Muitos corpos foram encontrados amontoados neste portão.”

A ocupação ilegal de prédios abandonados é comum no centro de Joanesburgo, onde imóveis são controlados por grupos criminosos que cobram aluguel dos ocupantes. Em junho, outro incêndio destruiu um edifício na cidade e matou dois meninos que tinham menos de 10 anos.

Além do problema habitacional, a população sul-africana convive com cortes de energia que se tornaram frequentes no cotidiano. Até junho, foram ao menos 3.645 horas, ou 152 dias, em que alguma parte do país esteve sujeita à redução no fornecimento de energia e a apagões.

A crise elétrica, intimamente ligada ao escândalo crônico de corrupção na concessionária Eskom, dominada por partidários do governista CNA (Congresso Nacional Africano), no poder desde o fim do apartheid, é a ponta do iceberg de uma crise maior de infraestrutura.

Depois de décadas de baixa manutenção da infraestrutura elétrica e de um aumento do consumo, proporcionado pelas indústrias e por uma demanda social reprimida de acesso à rede elétrica, o sistema quase colapsou —e, para evitar esse cenário, vieram os apagões.

https://twitter.com/Metropoles/status/1697208751063765060