Apenas 10 alunos tiraram nota 1000 na redação do ENEM (7 são do Nordeste)


Após a divulgação do resultado do Exame Nacional do Ensino Médio, muitos estudantes foram conferir o resultado das 90 questões da prova e a nota da redação. Segundo o último balanço divulgado nessa quinta-feira, pelo Inep, que é responsável pelo seletivo, 10 candidatos gabaritaram, ou seja, conseguiram nota mil. Sete deles são da Região Nordeste e os outros três do Sudeste.

O tema proposto no ano passado foi “Invisibilidade e registro civil: garantia de acesso à cidadania no Brasil”.

A prova de redação vai de 0 a 1000 pontos e tem caráter eliminatório para quem busca acesso à uma instituição de ensino. A nota de corte é de 300 pontos.

Poucos brasileiros conseguem a nota máxima. A Fernanda Quaresma, de Pernambuco, foi uma dessas pessoas. Ela disse que ficou feliz e surpresa com o resultado.

Milhares de estudantes tiveram que construir um texto argumentativo que cumprisse os cinco critérios de avaliação, que vão desde o domínio da língua portuguesa até a proposta de intervenção para o tema.

2019: 53 redações nota 1.000
2020: 28 redações nota 1000
2021: 10 redações nota 1000

1 curtida

Gente???

E eu n fui um deles

Sei de uma pernambucana e de uma cearense.
Vou ver se tem mais notícia sobre.

O tema desse último enem foi uma merda tbm

1 curtida

tem 3 pernambucanas

1 curtida

Que horror. Faltou pouco pro meu 1k

todas que saíram na imprensa são mulheres tb

2 curtidas

Nossa a queda de alunos com mil

que bom pra elus

Faltou apenas 900 pontos

Parabéns ead

1 curtida

De quais estados?

Pernambuco
Ceará
Minas Gerais
Bahia
São os que eu sei.

Só 10?
Dó dos coitados que vão usar cartilha de redação nota mil 2021 para treinar kkk

Pra vc? Ja imaginava, fofis. Forças na próxima

Att:
Rio Grande do Norte, outra mulher.
Se bobear as 10 foram feitas por mulheres.

3 curtidas

a cearense já saiu no G1

Foram certeiras, Vidas Secas hino.

“Minha professora havia falado no livro em que o personagem principal, Fabiano, não deu nome aos filhos —eles os chama de filho mais velho e filho mais novo. Ele dá o nome da cachorra (Baleia), mas não dá nome aos filhos. A professora deu uma introdução sobre isso, falou sobre a cidadania”, afirma.

Fernanda disse que, na introdução, citou a obra “Vidas Secas”, de Graciliano Ramos, na qual os filhos do personagem principal são chamados apenas de “mais velho” e “mais novo”. “O fato dos meninos não terem nomes fazia com que eles fossem desumanizados no livro”.

“Já tinha passado acho que meia hora quando eu consegui escolher meus argumentos. Levei duas horas para fazer. Introduzi a redação com o artigo sétimo dos Direitos Humanos, que é a garantia social ao ser humano. Meu primeiro argumento foi pautado no livro Vidas Secas, de Graciliano Ramos, uma obra que sou muito apaixonada. E o meu segundo argumento foi na Constituição Federal, com os direitos garantidos aos brasileiros”, completou.

1 curtida