Após escândalo, Record troca presidente da Record News e coloca ex-diretor de dramaturgia no comando

A Record começou 2024 com uma mudança importante em um dos seus principais ativos. Em uma reunião na sede da Barra Funda na manhã dessa terça-feira (2), foi anunciada a troca na presidência da Record News, canal de notícias do grupo.

Segundou apurou o NaTelinha, sai Reinaldo Gilli, que estava no cargo desde março de 2020, e entra Anderson Souza, que chefiou a direção de dramaturgia da Record por 11 anos e se afastou da função em setembro de 2023, quando a Seriella, produtora da Igreja Universal do Reino de Deus, assumiu por completo o setor. Desde então, Anderson vinha respondendo pela presidência da Record Rio Preto, no interior de São Paulo.

Pastor licenciado da IURD, Anderson Souza tocou a área de novelas e séries da Record de 2012, com a queda de Hiran Silveira, até meados do segundo semestre do ano passado. O diretor perdeu espaço com a chegada do grupo de Cristiane Cardoso, filha de Edir Macedo, ao comando da dramaturgia.

Retirado do posto, Gilli é administrador e jornalista, e tem passagens como diretor de jornalismo da Record Santos, Record Rio e Record RS, além de ter sido diretor de operações do Grupo Record em sua época de maior crescimento. Ele faz parte do conglomerado de mídia do bispo Macedo há 30 anos, e foi um dos responsáveis pela modernização da rede para o sinal HD e por ter recuperado a Record News, que na época de sua chegada estava em 30º lugar no geral de audiência e agora aparece entre as 10 principais emissoras no Brasil.

A troca ocorre após a demissão de Thiago Feitosa em novembro passado, após uma denúncia de assédio sexual. As queixas foram feitas por Rhiza Castro, ex-apresentadora do canal. Em outubro de 2023, se tornaram públicas as duas ações que a jornalista move na Justiça contra a empresa. Ela acusa Feitosa, que assumiu o cargo em 2020, sob a presidência de Reinaldo Gilli, de tê-la assediado em 2022.

Rhiza afirma que o então diretor enviava mensagens elogiando a sua aparência física e mandava fotos de seu trabalho na redação. Ela também conta que recebeu alguns presentes, como uma garrafa de vinho, na ocasião do seu aniversário de 32 anos. Porém, como não foi correspondido, Thiago diminuiu o espaço da subordinada na TV.

Em janeiro de 2023, a jornalista denunciou o caso para Márcio Santos, diretor de Recursos Humanos da Record, mas foi demitida dois dias após formalizar a queixa. A rumorosa saída provocou uma série de críticas ao canal, que apenas 10 meses depois anunciou a demissão de Thiago Feitosa.

Record se prepara para realizar demissões em janeiro
No último dia 28 de dezembro, o NaTelinha informou com exclusividade que pelo menos 32 profissionais serão demitidos da Record ainda na primeira quinzena de janeiro de 2024. Os alvos são nomes das mais diferentes áreas, inclusive gente do vídeo, com mais tempo de casa e salários altos.

O canal de Edir Macedo, inclusive, se antecipou ao barulho que os cortes provocarão na imprensa e procurou o Sindicato dos Radialistas de São Paulo para negociar um acordo para evitar a greve da categoria. A medida ocorreu após a Record ser acionada pela associação na Justiça ao promover uma demissão em massa em julho de 2022. Na época, a rede realizou baixas sem sentar com representantes do sindicato.

As medidas de enxugamento de custos são motivadas pelo prejuízo na casa do milhão que o Grupo Record alcançou em 2022. Conforme noticiou a reportagem com exclusividade em maio de 2023, o rombo foi de R$ 547,9 milhões. Foi a primeira vez que a operação da emissora ficou no vermelho nos últimos três anos.

Mas porque será que eu não me surpreendendo mais…

Podres