Atriz portuguesa Sofia Arruda revolta web ao postar foto do filho de 3 anos beijando amiguinha na boca: 'Criança não namora'

A atriz portuguesa Sofia Arruda está no centro de uma polêmica que teve ecos entre os brasileiros usuários do Instagram. Ao postar uma foto do filho de 3 anos beijando uma amiguinha na boca, ela virou alvo de internautas revoltados, que levantaram a hashtag #criançanãonamora.

na legenda, Sofia ainda comentou que conhecia os pais da garotinha e estava tudo bem. “O primeiro beijinho na boca. Não sei se será amor de verão ou da vida toda, mas que pintou um clima pintou (Atenção conhecemos os pais da menina e está tudo certo)”, escreveu.

Sofia Arruda irrita web ao postar filho beijando na boca

Sofia Arruda irrita web ao postar filho beijando na boca Foto: rep instagram

Não estava. Logo, Sofia, que já escreveu um livro sobre maternidade e suas agruras, foi atacada de várias formas e teve a conta denunciada. Ela trancou os comentários, mas não deletou as fotos e ainda marcou os pais da menina:

“Eu fui bem tiazona e denunciei no insta.”, “Deus , o que tá acontecendo com a humanidade??? Ah , lembrei , finais dos tempos mesmo”, “Criança não beija na boca nem de brincadeira, gente”, "É um absurdo normalizar isso ", “É de se indignar. As crianças estão cada vez mais “adultizadas”, perdendo a melhor fase da vida, e agora mais essa.”, “e criança não namora mesmo. criança tem que ser criança.”, “Gente, a criança tem 3 anos… não é possível meu Deus”, “Quando as pessoas vão entender que criança não namora!Tanta maldade no mundo e os pais simplesmente,trazendo mais problemas para a cabecinha das crianças!Estou horrorizada!”.

Sofia Arruda irrita web ao postar filho beijando na boca

Sofia Arruda irrita web ao postar filho beijando na boca Foto: rep instagram

Sofia, de 34 anos, também é apresentadora, youtuber e modelo. Há cerca de 20 anos, ela apareceu nas telinhas brasileiras, quando estreou por aqui a novela “Morangos com Açúcar”, uma espécie de “Malhação” portuguesa.

Sofia Arruda na época de

Sofia Arruda na época de “Morangos com açúcar” Foto: rep instagram

tenho uma opinião polêmica sobre esse tipo de mãe, mas ficarei calado

Que coisa nojenta.
Tem que ser bem doente para achar normal vê criança de três anos beijando.

Expondo o filho e a amiga do filho com tanta pouca idade…

1 curtida

Essa mulher tem questões muito sérias para resolver, só sendo muito problemática para achar isso normal.

Fiquei muito incomodado. Fosse um selinho inocente, ok. Mas me parece um beijo demorado. Pelo menos é em outra criança. Eu lembro que ficava constrangidíssimo quando era criança e me falavam de “namoradinha”, “beijar a fulaninha”. Odiava com todas as forças quando cantavam “com quem será?” no meu aniversário, é isso sendo beeem criança mesmo. Imagine isso!

Eu sofro que mãe e pai de menino quase sempre são nojentos na criação da criança. Por isso essa quantidade de homem problemático.

3 curtidas

Se eu fosse o pai da menina, não mais deixaria ela ir na casa dessa maluca.

2 curtidas

detesto pai/mãe que fazem isso, mas são os gays que ficam sexualizando crianças né

que mãe doida

Voces sao tudo conservadores kkk

Eu, hein…
Me explica o motivo de sermos conservadores ao reprovarmos esse tipo de comportamento? Sinceramente, estou confuso.

Eu não tenho opinião formada sobre o que aconteceu, mas olha esses comentários aí em cima kkk extremamente radicais

Radicais? Continuo não entendendo.
Como você acha que as pessoas devem agir?

Ela foi super errada mas isso aqui me deixa puto
Como pode? Ele é só uma criança vey

A mãe foi acusada por seguidores de sexualização infantil. Segundo especialistas ouvidos por Universa não se deve, mesmo, falar de “namoro” quando se trata de crianças — além de crime, eles não têm maturidade para esse tipo de desejo e relação. Cabe aos pais, portanto, não incentivar esse tipo de comportamento.

Criança não namora

Júlia explica que a atração por outra pessoa ocorre apenas com a puberdade, momento em que se inicia a produção hormonal e que marca as mudanças nos corpos de meninas e meninos. Portanto, antes dessa fase não é possível falar desse sentimento.

Mas é na primeira infância, que vai até os cinco ou seis anos, que os pequenos estão no pico de descobrimento do mundo em que vivem e testam limites —seus, dos pais e dos professores. Não à toa, também é nessa faixa etária que podem entrar em cena essas expressões infantis.

“Nessa fase, o que ela sente pelo amiguinho da escola é apenas afeto, e não se pode confundir com amor na forma erotizada. Existe a reciprocidade, a empatia com o outro, a pureza de sentimento”, salienta a psicóloga forense Deise Cristina Gomes.

A profissional, que é especialista em TDHA e Ansiedade e, também, em microexpressões faciais, explica ainda que muito dessa atitude vem da reprodução de comportamentos adultos por parte da criança. Ou seja, ela começa a imitar a maneira como as pessoas mais velhas de seu convívio agem, como os próprios pais, irmãos maiores, entre outros.

Nem me atrevo a dizer nada porque seria mal interpretado por aqui