BARRADOS: Justiça nega pedidos de estudante e professor contra comprovante de vacinação na UEM

A Justiça negou a uma estudante e a um professor o pedido de frequentar aulas na Universidade Estadual de Maringá (UEM) sem comprovar ter tomado a vacina contra a Covid-19 – uma exigência da instituição a todos os seus alunos e funcionários, exceto aos que comprovarem contraindicação médica.

De acordo com decisão do juiz Nicola Frascati Junior, da 2ª Vara da Fazenda Pública de Maringá, o pedido de mandado de segurança da estudante não apresentou embasamento. A aluna, do curso de Direito, acionou a Justiça pelo que considera “abuso de poder” da instituição. Ela sustentava que o governo federal permitiu aos cidadãos a escolha por tomar ou não a vacina e que a universidade estaria violando seus direitos. O magistrado, no entanto, interpretou que a decisão da UEM não a obriga a se vacinar.

Além disso, a Justiça descartou documento anexados pela estudante sobre supostos riscos da vacina alegando a falta de “embasamento fático/científico”.

Já o professor de música, que também pedia para frequentar as aulas sem vacinação, teve sua ação negada após o juiz Frederico Mendes Junior considerar inconsistente a documentação que apresentou para justificar contraindicação à vacina contra a Covid-19.

Ambos podem recorrer das decisões.

Gazeta do Povo

3 curtidas

Vou colocar uma imagem jaja
Nao sei se coloquei no lugar certo

Hmm.

Quê ? ? ? De onde ela tirou isso?

Chocado com o antivax na área artística. N

Eu AMO ver essa gente perdendo berrn

O governo so faltou implorar pro povo se vacinar.
Ok que o presidente deve ser um antivax, mas todos os governadores fizeram campanha maciça pró-vacinação.

1 curtida

o nivel da doença dessa cretina
parabéns Queiroga e ao governo nazi desse vagabundo morfético