Britney Spears é comparada a Marilyn Monroe e Princesa Diana em artigo sobre filme "Blonde"

O trailer de “Blonde”, um dos filmes mais esperados do ano, traz uma citação de Marilyn Monroe que chama nossa atenção: " Vista por todos, mas ninguém a viu." O filme é baseado em um romance de mesmo nome da autora Joyce Carole Oates, que transformou em ficção a vida de Norma Jean - que mais tarde viria a ser a maior estrela que Hollywood já viu.

Marilyn Monroe foi um sonho americano que se tornou tragédia, uma linda mulher loira que trazia a escuridão em torno de sí e que se tornou uma instituição cultural.

O filme segue inúmeros momentos já vistos sobre a vida pessoal e profissional de Marilyn Monroe - todos eles focando no quesito voyeur e obsessivo dp público que continuou até mesmo depois de sua morte e sua eternização como Icone de Hollywood.

Nós vimos - e continuamos a assistir - esse papel em outra mulher que foi devorada por sua imagem pública e a obsessão do público. A Princesa Diana, a “princesa do povo”, é outra figura trágica na cultura Pop cuja história continua sendo dissecada e discutida mesmo após 25 anos de sua morte. De certa forma, há similaridade entre ela e Marilyn Monroe: Figuras míticas definidas por sua beleza, sex appeal, carisma e personalidade encantadora. Durante suas vidas, ambas foram consumidas pelo público com tanta veemência que é como se as pessoas quisessem um pedaço delas para sí - destruindo suas figuras até que não houvesse mais nada que não fosse sua personalidade.

Tirando as similaridades, essas figuras foram objeto de escrutínio público por um motivo específico: Elas representavam um tipo de mito em torno da feminilidade e quebravam paradigmas sociais não sendo exatamente o que esperavam delas - atraentes, amigáveis e o mais importante, submissas.

Nenhuma das duas foi domada ou se sujeitou ao que esperava delas.

Marilyn Monroe e Princesa Diana chocaram a sociedade conservadora por não se comportarem da forma que o público esperava de mulheres. Monroe, casou por diversas vezes e teve muitos rumores sobre affairs, reforçando sua imagem de sensualidade, desafiando e provocando o público até o limite.

Princesa Diana não foi tão explosiva da mesma forma, mas foi alguém que quebrou protocolos reais em níveis até então inimagináveis para tradicional realeza britânica - começou um relacionamento logo após o anúncio de sua separação com o Principe Charles e usou o icônico “revenge dress” em público, desafiando o que era esperado dela como membro da família mais tradicional e famosa do mundo.

O tempo passou e a obsessão em torno dessas mulheres, mesmo décadas após suas trágicas mortes, nos mostra duas coisas. Primeiro, revela que temos um aspecto social muito importante de observar essas figuras trágicas e sua feminilidade, atribuindo a elas algo maior do que a Humanidade permite - elas são figuras de interesse público, cuja vida nos pertence e vale a pena o estudo contínuo de suas ações.

Em segundo, a obsessão com a tragédia de suas vidas que contrastam com sua beleza e sucesso, “desumanizando” mulheres e forçando-as a assumir um papel cultural que molda uma narrativa que pareça mais interessante pros consumidores de suas histórias e vidas. É como se as histórias que nós contamos sobre mulheres que desafiaram as convenções sociais e sexuais precisasse ter algum tipo de punição porque a sociedade precisa manter sua imagem puritana sobre sexo e gênero.

O que nos leva a perguntar: As histórias da Marilyn e Diana realmente são delas ou elas foram contadas por outras pessoas? Elas foram eternizadas como Icones, mas isso trouxe um peso muito forte em torno de suas vidas: Questões mentais, abuso de substâncias e exploração de suas famílias e parceiros.

A fome do público por histórias sobre mulheres bonitas e “emblemáticas” continua até os dias atuais, com máximo respeito as pessoas que ainda continuam vivas. Muitas dessas tiveram arcos de redenção que permitiram quebrar um paradigma como Britney Spears.

Britney Spears, em particular, aparece como uma figura mítica cuja história de vida sempre foi contada por terceiros - e o que faz isso tão significante é que aconteceu da mesma forma com a Diana e Marilyn.

Enquanto a história de Britney felizmente continua a ser contada, a narrativa de tragédia pessoal envolvendo uma das mulheres mais famosas e bem-sucedidas da história da música e voyeurismo continua definindo quem ela é para nós e sua figura na Cultura Pop mundial.

thewaddle

10 curtidas

É interessante pq as próximas gerações verão biografias e filmes sobre a Britney, assim como nós atualmente falamos sobre a Diana e Marilyn.

11 curtidas

icones que ultrapassam gerações, tecnologias e discursões. Marilyn, Diana e Britney, td nosso amor.

@B-Armys

são histórias bem parecidas, mas com fé em tudo o que há de bom neste mundo, britney terá muita história linda pra contar :weary::pray:t2:

4 curtidas

dá onde é o artigo?

thewaddle
ta no final, acho que é esse.

joguei no google e nao tem nada

vamos aguardar o o criador do topico.

3 lendas q a mídia usou e abusou.

TheSwaddle**

1 curtida

Britney: impacto cultural

1 curtida

Britney é muito famosa né

Empresa líder de pesquisa colocando ela como a mais famosa, matéria ligando com a história de lendas. É a mais das mais mesmo

1 curtida

Princesas

Só lendas