Camilla de Lucas diz já ter batido R$ 1,5 milhão na conta

Camilla de Lucas , repórter de bastidores do programa “The Masked Brasil”, da Globo, falou de representatividade e contou curiosidades do grupo do qual participam os ex-integrantes do “Big Brother Brasil”.

— Tem um grupo, sim, no WhatsApp. Se eu não me engano quem criou foi a Viih Tube. Mas, assim: não é um grupo onde as pessoas conversam tanto não, sabe? É: “Oi, gente! Bom dia, boa tarde, boa noite” (…) Fica mais nessa vibe. A não ser que tenha um grupo do grupo, do qual eu não faço parte. É isso mesmo. As pessoas não conversam tanto. E outras pessoas ( perguntam ): Tem um grupo onde as pessoas brigam? Não. Não tem tem bafafá. Não tem pessoas ressuscitando assuntos antigos… Ele não passa de um bom dia, boa tarde, boa noite — admitiu ela, ao podcast da revista “Bazaar”.

A ex-participante do reality show da Globo relembrou ainda críticas que recebeu por admitir ter resistência à transição capilar. Frequentemente, Camilla surge com perucas de cabelo liso, cacheado ou crespo. Ela explica:

— Percebo que estes comentários sobre meu cabelo não são da grande maioria. Algumas pessoas ainda não entenderam e acabam sendo ignorantes para entender a questão da estética da mulher negra. Então, a gente tem que separar. Eu sou uma mukher negra e sou uma mulher livre que pode usar o cabelo que quiser. Tenho o cabelo crespo. Obviamente é o cabelo que predomina ( entre as escolhas dela, de perucas, por exemplo ). E não é o único cabelo específico de quando a gente fala de pessoas negras. Pessoas negras também nascem com o cabelo liso. Quando eu falo de transição capilar, ela vai além disso. É uma questão de aceitação. Isso significa que eu me acho bonita com diversos tipos de cabelo. E o cabelo crespo que é o meu cabelo, o cabelo com que nasci, é mais um tipo de cabelo que amo.

Ex-moradora de Nova Iguaçu, Camilla de Lucas atualmente mora na Barra, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Ela, que tem 26 anos, admite também que já se tornou milionária:

— Já fiz o meu prêmio do “BBB” aqui trabalhando, com alguns contratos. Quando a gente está lá dentro, não tem noção de como as coisas acontecem aqui fora e nem como as coisas costumam repercutir. Eu falava: "Gente, eu trabalho com a internet. Se acontecer alguma coisa aqui… Se uma enfermeira sofrer um cancelamento fora, ela já é formada naquilo. Voltar para o mercado de trabalho, se a pessoa é anônima, é difícil mas a pessoa tem uma formação. Meu trabalho é com internet, com a minha imagem, então o que acontecesse lá dentro com a minha imagem ninguém ia querer me contratar. Isso era uma preocupação que eu tinha. Também não ficava restrita a isso (…) Depois que saí acabei recebendo muitas propostas (…) Felizmente, em menos de um mês do programa, consegui fazer além do valor do prêmio. Então, estou muito feliz de transformar minha vida com o que eu trabalho.

A youtuber relatou ainda que escolhe a dedo as marcas que irá representar:

— Estou numa posição em que não são todos os trabalhos que eu fecho. Recebo grandes propostas, de valores superaltos, mas olho e penso: não vale a pena fazer. Isso eu já levava comigo no meu trabalho. Não sou uma pessoa que sai por aí fazendo tudo por dinheiro. Para mim não vale a pena.

1 curtida

Merece muito.

Nisso a Camilla e a Juliette tem bastante em comum.

Uma coisa que me deixa meio triste é que a edição nunca fez questão de mostrar o quanto elas eram parecidas lá dentro. Elas tomavam a mesma posição em vários assuntos, e tinham a mesma atitude também.

merecido

Merecedora de tudo sim

E a mãe continua lavando banheiro de shopping, ou ela já parou com essa fic?

Lenda ela é a mais carismática dos que chegaram a final merece o mundo.

princesa