Confira quantas vezes O Clone foi reprisado na TV

Escolhida como substituta de Ti Ti Ti, O Clone voltará ao Vale a Pena Ver de Novo dez anos após sua última exibição na faixa vespertina da Globo. A novela escrita por Gloria Perez, porém, foi reapresentada em 2020 pelo canal Viva. Com a versão inédita, essa será a quarta vez que o folhetim protagonizado por Murilo Benício e Giovanna Antonelli vai passar na TV.

A transmissão original de O Clone aconteceu entre outubro de 2001 e junho de 2002, com 221 capítulos. Na época, a novela foi considerada um sucesso de audiência, com 47 pontos de média na Grande São Paulo, o principal mercado publicitário do país. Em suas últimas dez semanas de exibição, manteve os índices de ibope acima dos 50 pontos, com 62 de média no capítulo final.

Em 2011, a Globo a escalou no Vale a Pena Ver de Novo pela primeira vez para comemorar seus dez anos de lançamento. No ar de janeiro até setembro daquele ano, fechou com 17 pontos de audiência, média que a Globo demorou quatro anos para emplacar novamente na faixa, com O Rei do Gado em 2015. A história de Benedito Ruy Barbosa foi ao ar originalmente em 1996.

Após quase uma década sem reapresentações na TV, O Clone voltou ao ar. Pela primeira vez, o folhetim ficou disponível para os assinantes do Viva. E repetiu o sucesso: transmitida de dezembro de 2019 até agosto de 2020, terminou como a segunda novela mais vista na história do canal de TV por assinatura, atrás apenas de O Cravo e a Rosa (2000), sua antecessora no Viva.

Além disso, no Viva, a saga de Gloria Perez permaneceu como líder geral entre os canais de TV paga. O fato de O Clone ter passado recentemente na televisão fez com que alguns telespectadores ficassem incomodados com a escolha da Globo para o Vale a Pena Ver de Novo, já que a novela ainda está “fresca” na memória de quem viu no ano passado.

No entanto, o sucesso no Viva não impede que o folhetim volte a registrar bons índices na TV aberta, que tem um alcance muito maior. Por Amor, por exemplo, foi ao ar em 2019 na faixa de reprises vespertinas da Globo e levantou o ibope do horário (com média final de 17,8 pontos) --menos de dois anos antes, ela tinha sido exibida pela TV por assinatura.