Cuidadora humilhada por erros de português recebe ofertas de emprego

A cuidadora de idosos de 43 anos que foi hostilizada pela atendente de um asilo de Sorocaba (SP) ao enviar currículo recebeu diversas ofertas de emprego após a repercussão do caso.
Cristiane Barros foi criticada por causa de erros de português nas mensagens que enviou para a instituição.

O caso ocorreu na última quinta-feira (14). Nas imagens da conversa enviadas ao . “Não existe agente, é a gente”, escreve.

Em seguida, a funcionária sugeriu que Cristiane fizesse um curso de português e disse que era “por isso que ela não arrumava trabalho”.

“Seria bom você fazer um curso de português. Deve ser por isso que você não consegue uma vaga de trabalho”, disse.

Depois da repercussão nas redes sociais, a cuidadora recebeu diversas ofertas de emprego. Segundo ela, as oportunidades surgiram em São Paulo e até no Rio de Janeiro.

Além de trabalho, muitas pessoas também se ofereceram para ajudá-la a fazer um currículo novo e a dar dicas para que Cristiane vá bem nas entrevistas.

“Deus sabe de tudo. Ele é maravilhoso e sabe o que faz. Sinto que fui escolhida por Ele e que Ele usou as pessoas ao meu redor para me mostrar que ainda existe bondade no mundo. Estou muito feliz e muito agradecida. Ainda estou analisando as propostas. Aceitei a ajuda de refazer o currículo”, afirma.

Número bloqueado

“Eu me senti muito mal. É muito triste pensar que existem pessoas assim, principalmente trabalhando com idosos. Fiquei chateada, porque não sou uma pessoa do mal. Fiz o curso, estou procurando emprego e batalhando por isso. Eu errei, alguns deles foram o corretor e não consegui arrumar. Foi sem querer”, relata Cristiane.

A cuidadora contou que decidiu mandar o currículo quando soube, por meio de um amigo, que a clínica de Sorocaba estava em busca de novos funcionários. Logo que enviou seus documentos, no entanto, a atendente começou a respondê-la de forma hostil.

Cristiane disse que pediu desculpas e tentou mandar novas mensagens, mas que seu número foi bloqueado pela clínica.

O g1 entrou em contato com o asilo, que informou que não tinha conhecimento sobre o ocorrido, que “lamenta muito este tipo de conduta” e que não compactua com o comportamento da atendente.

Também disse que vai apurar internamente o ocorrido, mas que já identificou que “nenhum dos empregados e funcionários foi emissor das mensagens”.

“Continuaremos as investigações internas e, caso algum prestador de serviços tenha realizado a conduta em nome da empresa, adotaremos as medidas corretivas necessárias”, diz a nota.

1 curtida

variedades…

eu queria encontrar cara a cara com quem mandou essas mensagens

3 curtidas

Joga no noticiais pros visitantes ficarem revoltados tb

1 curtida

Mds eu nem me toquei na hora de colocar a categoria.

que desgraçados
preconceito linguistico é aberração demais, imagina querer diminuir alguém por baixa escolaridade num país desigual como o brasil, com uma quantidade absurda de pessoas analfabetas
elitismo purinho, pavor

2 curtidas

O asilo passando panooo

“Agente nao existe”
Logico que existe, cretina
Só foi empregado incorretamente na frase.

Q ódio dessa desgraçada

É de revoltar mesmo.
Mas ainda bem que muita gente se solidarizou com ela. Queria conhecer cada uma pra agradecer tb, isso deixa o coração mais quentinho.

Brasil é disso pra pior

chorei de verdade :sob:

:heart:

como tem gente podre e maldita nesse mundo né? fiquei me sentindo mal só de ler isso

Só que me falta colocarem a culpa em algum idoso do asilo.

Este tópico foi automaticamente fechado após 7 dias. Novas respostas não são mais permitidas.