E lá vamos nós: Congresso do Peru aprova processo de impeachment contra Pedro Castillo

O Congresso do Peru aprovou, nesta segunda-feira (14), por 76 votos a 41, o processo de impeachment contra o presidente do país, Pedro Castillo. Os parlamentares de oposição lideraram a votação, e agora Castillo deve apresentar sua defesa no dia 28 de março.

Em crise política e de popularidade, o presidente peruano responde a acusações de conspiração e tráfico de influência em casos relacionados a contratos do governo para a realização de obras públicas. Cinco ex-presidentes do Peru foram formalmente investigados por corrupção nos últimos anos.

Em janeiro, o procurador-geral do Peru, Daniel Soria, abriu uma investigação preliminar e anunciou o inquérito sobre Castillo devido a reuniões que o presidente realizou com representantes de empresas que competem por concessões para construir uma ponte na região amazônica e por outra pela venda de combustível para a estatal Petroperu, segundo uma nota da procuradoria no Twitter.

O atual presidente do Peru tomou posse no fim de julho do ano passado, após um processo eleitoral que contou com mais de um mês e meio de apuração dos resultados das urnas. Castillo ficou à frente da candidata da direita Keiko Fujimori por somente 44 mil votos.

Após as últimas eleições, no entanto, o Congresso peruano passou a ser liderado pela oposição. A votação elegeu uma equipe chefiada pela parlamentar de centro María del Carmen Alva, do partido Ação Popular, com 69 votos. Alva, eleita presidente do Congresso, teve um apoio importante do partido de direita Força Popular, de Keiko Fujimori.

Turbulência política constante no Peru

Com menos de um ano de mandato, Castillo pode ser o terceiro presidente peruano a sofrer impeachment em apenas três anos. O ex-presidente Pedro Pablo Kuczynski, renunciou durante seu processo de destituição, em 2018. Já Martín Vizcarra, foi afastado pelo Congresso em 2020.

Em novembro de 2020, o Peru contou com três mandatários diferentes em apenas uma semana: Vizcarra, saindo em 10 de novembro, Manuel Merino, presidente do Congresso, que ficou por apenas cinco dias e pediu renúncia em 15 de novembro, e Francisco Sasgasti, eleito pelo Congresso, que assumiu no dia 16 de novembro e ficou no poder até julho de 2021, quando Castillo começou a exercer o cargo definitivamente.

so foi o bolsy apoiar que ele caiu

esse país é uma palhaçada, não tem estabilidade política nenhuma

1 curtida

Toque de mierdas.

Morro com ele passando o mesmo que a Dilma passou: mamou a esquerda pra vencer a eleição e durante o governo correu pros braços da direita pra conseguir se manter e tomaram um impeachment nas fuças.

Uau um presidente peruano não terminando o mandato chocado