Enfermagem batalha por piso salarial desde 2005

Enfermagem batalha por piso nacional no Congresso pelo menos desde 2005, quando primeiro PL sobre o tema começou a tramitar.

Nos últimos dois anos, com a pandemia do coronavírus Sars-Cov-2, os usuários de serviços de saúde passaram a observar mais atentamente aqueles trabalhadores que estão presentes em todos os momentos da assistência: a enfermagem.

Ocupando um lugar que o senso comum por séculos destinara à medicina, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem se tornaram aos olhos do mundo os protagonistas da linha de frente contra a Covid-19, doença para a qual ainda não existe remédio específico e cujo tratamento depende muito do cuidado humanizado característico dessa profissão.

Ao longo dos meses, os aplausos em janelas e posts de redes sociais acabaram arrefecendo, ao mesmo tempo em que a profissão se desdobrava em jornadas excessivas de trabalho, lutando ao mesmo tempo pela sua sobrevivência, uma vez que a Covid-19 não poupou esses trabalhadores – atualmente, em todo o país, segundo dados do Conselho Federal de Enfermagem, mais de 60 mil profissionais foram contaminados pela doença e quase 900 vieram a óbito em decorrência dela.

Enquanto isso, esses profissionais também sofreram os impactos financeiros dos últimos meses, como o aumento do custo de vida decorrente da alta de mais de 10% da inflação acumulada em 2021.

Nesse período, uma luta de décadas da categoria acabou sendo reconhecida: o piso salarial. De autoria do Senador Fabiano Contarato, o projeto de lei 2564/2020 estabelece valores que, mesmo reduzidos após diversas tratativas entre o Congresso e entidades representativas da categoria, ainda representam segurança e esperança para mais de 2 milhões de trabalhadores (em sua maioria, mulheres na faixa dos 40 anos) que se desdobram com salários que não fazem jus nem a todo conhecimento obtido ao longo de anos de formação e trabalho, tampouco suas necessidades cotidianas.

Pela proposta atual do projeto de lei, o piso salarial de enfermeiros seria de R$ 4.750,00, o de técnicos de enfermagem, R$ 3.325,00, e o de auxiliares e parteiras, R$ 2.375,00. Entretanto, a realidade enfrentada pelos profissionais é bem diferente. Por exemplo, o município paulista de Lucélia realizou no último mês de janeiro processo seletivo de candidatos temporários para duas vagas de enfermeiro, com salário de R$ 1.633,25.

Enfermeiros e Farmacêuticos precisam serem urgentemente mais valorizados, depois dos médicos são os que carregam um hospital nas costas (junto com técnicos e auxiliares)

1 curtida