ESTADÃO: "Jão é, de longe, o cantor pop que consegue a conexão mais intensa com a massa de fãs do Brasil hoje"

Jão comprova conexão com fãs em show ambicioso, mas prejudicado por estrutura do The Town

Cantor levou dragão gigante, drone com bandeira do orgulho bi e coroou o dia do pop brasileiro que se leva a sério. Mas dificuldade de chegar ao show de Bruno Mars provocou debandada precoce

Jão é, de longe, o cantor pop que consegue a conexão mais intensa com a massa de fãs do Brasil hoje. Só dá para comparar se a gente for para o sertanejo e outros gêneros superpopulares. Mas em um festival como o The Town não tem concorrência.

Fãs esgoelam as letras inteiras, choram e se abraçam como se fossem eles mesmos no palco. Isso ficou comprovado na noite deste domingo. Pena que a produção ambiciosa dele foi prejudicada pela estrutura do festival. A partir do meio do show, o público começou a sair em massa, em direção ao funil de pessoas que levava ao palco principal, com muita lentidão e dificuldade, onde Bruno Mars tocaria. Mas os fiéis ficaram, encantados até o fim.

O dragão gigante que Jão levou ao palco foi o maior símbolo de um dia que deixou escancarado o sucesso de uma geração do pop brasileiro que não tem medo de se levar a sério. O cantor que lota shows pelo Brasil há anos mostra cada vez mais poder sobre o público a cada grande festival. Foi surpresa no Lollapalooza, fez malabarismo no Rock in Rio e agora, impressionou no The Town, apesar do contratempo.

O coro de “Jão tesão, bonito e gostosão” marca a atual fase do cantor, do quarto álbum, Super, com letras um pouco mais picantes (mas ainda sofridas). Drones no céu, outro elemento de superprodução, formavam a bandeira de orgulho bissexual, durante a música Meninos e Meninas.

“Eu me sinto muito perdido sem vocês”, ele disse. “Espero que hoje vocês se sintam respeitados e amados por quem vocês realmente são, e que aqui seja um lugar seguro para vocês”. Jão está ainda mais seguro e, ao mesmo tempo, solto no palco, algo que se nota na interpretação de Santo, por exemplo, e na resposta intensa do público.

A conversa é que ele levou seis carretas de material cênico e credenciou cem pessoas de sua equipe para o festival. Coroou um dia de grandes produções de Iza, Pabllo Vittar e Gloria Groove, sem contar Ludmilla e Luísa Sonza, nos dias anteriores. Nenhum deles tem pudor de ser pretensioso e empilhar referências, trilhas dramáticas, vídeos pomposos, coreografias elaboradas etc.

O dragão não era um ícone aleatório de poder: ele remete ao fogo, elemento que Jão aponta como principal em seu álbum recém-lançado, Super, o quarto da carreira - os anteriores são Lobos (2018), do elemento terra, Anti-Herói (2019), do ar, e Pirata (2021), da água. Existe toda uma semiótica e um universo expandido do trabalho de Jão. Se isso não é se levar a sério, difícil dizer o que é.

No final do show, outro sinal de sua ambição. Mesmo em um momento de aclamação, ele reclama de críticas.

“A gente sonhou por muito tempo com isso. E é muito doido como nos momentos mais alegres da minha vida também são os momentos em que mais pessoas aparecem para atacar de todos os lados. E muitas pessoas à minha volta me perguntam, falam, você precisa se defender, precisa falar alguma coisa. Prefiro responder com meu trabalho, com os shows, com os estádios esgotados e com a nossa conexão.” Não é uma resposta sobre limitações melódicas e líricas que se nota nos álbuns (mais do que nos shows), mas realmente a conexão está lá.

@Lobos

9 curtidas

lobos fanbase do pop

Até o Estadão teve que se dobrar

Se ajoelharia pro Jão?

AMOOOOOO

Acho que até quem não gosta dele concorda com isso viu

Ele é o maioral não adianta

realidade: luisa e pabllo

MARAVILHOSOOOOOOO, ACLAMADO, ACEITA HATERS

1 curtida

Pior que é verdade, no show dele ficou claro que grande maioria tava no palco The One por ele.

5 curtidas

o universal acclaim

Super artista

1 curtida

Até o Estadão deitando

Mas pra BC só é artista se falar de leite na raba

Deitaram pra ele, depois da review do Super

As músicas dele crescem muito no show

Se for o publico de mariconas barbudas, não há duvidas

Ícone

DIVO, resta as gays da bc se rasgarem com a demanda do kweeing

Palco mundo é seu ano que vem