Ex-âncora da Record diz ter sido vítima de assédio após engravidar e processa emissora

Contratada pela Record News em 2015, Daiane Bombarda comandou telejornais como Link Pop, Jornal da Record 24h, Hora News e Mundo Meio Dia no canal de notícias da Record durante cerca de quatro anos. Agora, ela está processando a emissora por assédio moral e pede R$ 1,1 milhão de indenização.

Procurada pelo F5, a Record diz que não vai comentar o caso. Moisés Lucena, gerente da Record News, citado por Daiane como seu assediador, não respondeu às tentativas de contato realizadas nesta segunda-feira (10).

O caso corre no Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região. É o terceiro caso do tipo que se torna público em oito meses no jornalismo da emissora. Antes, os jornalistas Elian Matte e Rhiza Castro —esta última também oriunda do canal de notícias da TV de Edir Macedo— denunciaram a emissora.

“Com a coragem da Rhiza Castro de expor o seu caso, pedi ao meu advogado para fazermos isso”, afirma Daiane ao F5. Diferentemente dessas outras duas situações, nas quais as vítimas dizem ter sofrido investidas sexuais, Daiane afirma ter passado por situações de assédio moral por causa de questões estéticas relacionadas a sua primeira gravidez.

Daiane foi contratada na Record News inicialmente como produtora. A partir de 2016, teve oportunidades como apresentadora de diversos programas, especialmente do Mundo Meio-Dia, programa sobre o noticiário internacional, do qual passou a ser titular.

Em 2019, a jornalista descobriu sua primeira gravidez e saiu de licença-maternidade. Depois desse período afastada, Daiane teria passado a sofrer o assédio. Como tinha ganhado peso por causa da gravidez, a Record News teria determinado que ela usasse roupas maiores para que não se mostrasse um suposto excesso de peso.

“Você tem que estar: bonita, apresentável e não errar”, teria dito Moisés Lucena, atual gerente geral da Record News, segundo a apresentadora afirma em áudio anexado na ação. Segundo Daiane, foi Moisés quem mais lhe assediou moralmente no trabalho.

“Teve vez de eu ter que trocar a minha roupa porque falaram que a que eu usava me deixava ainda mais gorda. Por vezes, tinha que mandar foto vestindo a roupa antes de entrar no estúdio para o celular do chefe para ele dar a aprovação”, afirma a ex-âncora ao F5.

Pressionada para perder peso e com muito trabalho, Daiane chegou a se afastar 15 dias do trabalho. “Quando me dei conta, estava tomando medicações, com diagnóstico de Burnout. Meus colegas me acudiram, mas a vontade era de correr, literalmente, de lá. Isso tudo com uma filha bebê”, relembra.

CIRURGIA E REMÉDIO

Com medo de perder o emprego, Daiane diz que decidiu tomar uma medicação que prometia a perda de cinco quilos em uma semana. No processo, a jornalista afirma que conseguiu emagrecer, mas passou mal e parou de tomar. O peso que havia perdido voltou, e as reclamações não cessavam.

Em março de 2020, pouco antes do estouro da pandemia de Covid-19, Daiane fez uma otoplastia, um tipo de técnica cirúrgica utilizada para melhorar a condição das orelhas. A apresentadora conta que recebia reclamações sobre a gordura de suas orelhas no vídeo.

Mesmo com o procedimento, as queixas não cessaram. Quando retornou ao trabalho, Daiane afirma que começou a ter sintomas de síndrome do pânico, apresentando choro fácil e muita ansiedade antes de entrar ao vivo na Record News.

Em junho de 2020, ela diz que chegou a ter um mal-estar súbito e não conseguiu apresentar o Record News Rural, que comandava naquela ocasião. Após um novo afastamento de 90 dias, em outubro de 2020, Daiane afirma que sequer conseguia pisar na emissora. A jornalista decidiu ir à Justiça em novembro daquele ano.

Nas decisões de primeira e segunda instância, Daiane Bombarda perdeu e a Justiça concordou com os argumentos da Record. A jornalista recorre das decisões em tribunais superiores.

O advogado de Daiane protocolou no último dia 27 de maio um documento em que pede que o Ministério Público do Trabalho investigue o relato de uma testemunha que diz ter ouvido de um chefe na Record News que foi induzida a mentir em juízo no processo movido pela apresentadora. A denúncia está em providências iniciais pelo MPT.

FIM DA CARREIRA NA TELEVISÃO

Por causa de todos os problemas que teve, Daiane Bombarda decidiu desistir da carreira na televisão. “Agora que estou atuando como assessora de imprensa, conseguindo me reerguer. Mas dispensei oportunidades incríveis na TV por trauma”, afirma a ex-apresentadora.

Uma dessas foi um convite da EPTV, afiliada da Globo no interior de São Paulo. No ano passado, Daiane conta que desistiu na última hora de um novo contrato para voltar à televisão por medo. Segundo ela, TV virou um lugar tenebroso.

“É algo que nunca vou superar. Hoje é menos pior, sim. Tenho dois filhos lindos, um marido incrível que sempre me ouviu e me apoiou, que acreditou em mim. Mas o trauma, não sei descrever o que sinto… Eles acabaram com a minha carreira, com meu sonho. Anos de dedicação, de estudos, para acabar nisso”, diz.

Vai ser silenciada assim como qualquer pessoa que expõe assédio dentro dessa pocilga