FILHO DE ALMIR SATER: Quem é Gabriel Sater? Intérprete de 'parça' do capeta foi coroinha em Pantanal

Gabriel Sater encara uma missão misteriosa como Trindade, o “parça” do capeta no remake de Pantanal, novela das nove da Globo. O artista tem muita intimidade com a saga. Ele estava com apenas nove anos quando a versão original foi gravada e fez até uma ponta no folhetim. “Como criança brinquei de coroinha no último capítulo da novela”, conta o intérprete. Seu pai, Almir Sater, é quem dava vida ao personagem endemoniado em 1990.

“Eu nunca quis um personagem como eu quis fazer o Trindade na minha carreira. O mais interessante de tudo isso é que, a cada dia que eu falo com meu pai, novas intenções são descobertas, nessa infinita descoberta pelo personagem. Minha relação com meu pai foi sempre muito próxima, mas agora com a novela intensificou ainda mais”, comenta o artista.

Ele o pai emocionaram muitos telespectadores que acompanharam a primeira cena dos dois, que não têm nenhum parentesco na novela das nove da Globo. O “duelo de violas” cativou o público sobretudo pela química familiar que se podia sentir. Mas afinal, quem é Gabriel Sater, que já tem até música na trilha da trama do horário nobre?

Nascido em São Paulo, o rapaz cresceu justamente na região que dá nome ao folhetim, onde o pai possui uma fazenda. Como já ficou claro na sequência que galvanizou o público, o artista seguiu os passos de seu progenitor e investiu na carreira musical.

Cantor e compositor, ele tem uma série de canções gravadas. Uma delas, inclusive, é o tema amoroso de Jove (Jesuita Barbosa) e Juma (Alanis Guillen) na própria Pantanal: Amor de Índio.

Essa não é a primeira novela do intérprete, que já atuou em Meu Pedacinho de Chão (2014). No folhetim das seis da Globo, que também era um remake de uma história de Benedito Ruy Barbosa, ele interpretou Viramundo.

Almir Sater e Gabriel Sater em cena de Pantanal

Almir Sater e Gabriel Sater em cena de Pantanal

Tal pai, tal filho

Gabriel Sater não deu continuidade apenas à veia artística do pai. A ligação é tanta, que ele vive o mesmo personagem que o pai interpretou na versão original do folhetim. Dono de uma viola enfeitiçada, Trindade fez um trato com o próprio diabo para obter vantagens.

Antes de fazer o teste para a novela, comecei a investigar com o meu pai inúmeras histórias e curiosidades. Lembramos que durante a gravação da novela original, eu acompanhei as gravações. Passei alguns dias das minhas férias com o elenco original. E era muito bacana. Eu era o pombo-correio do elenco, ficava numa curva de rio os homens e, na outra curva de rio, as mulheres. Eu ia para lá e para cá…

Gabriel conta que quis entender a partir da experiência de seu pai, o processo que ele teve com Trindade. “Então, anotei as histórias que ele me contou em relação à confecção de Trindade naquela época, como é que ele chegou ao convite original para ser o Trindade, porque não foi de cara esse convite, né? Ele foi convidado para fazer uma participação pequena na novela”, revela o cantor, que completa:

Aos poucos, fui entendendo cada camada desse personagem tão desafiador, tão complexo. E vinha perguntando, a cada cena que eu lia, o que o meu pai tinha pensado quando fez? Mas, obviamente, ele me deixou muito livre e pediu para que eu buscasse um novo Trindade nessa minha construção e está sendo uma experiência única mesmo.

Escrita por Benedito Ruy Barbosa, a novela foi exibida em 1990 pela extinta Manchete (1983-1999). O remake da Globo é adaptado por Bruno Luperi, neto do criador da história, e ficará no ar até outubro. Em seguida, a emissora vai apresentar Travessia, trama de Gloria Perez.

“o duelo de violas cativou o publico”
que publico???