Filho de Pedro Bial e Giulia Gam, Theo Bial lança seu primeiro álbum autoral e conta como estuda para compor

O cantor e compositor Theo Bial lançou neste mês “Vertigem”, o seu primeiro álbum com este nome artístico. Antes ele já tinha lançado trabalhos como Theozin. Agora que já está usando o sobrenome do pai, o jornalista Pedro Bial, também o trouxe para uma participação especial na faixa “Azul”, escrita pelos dois.

O álbum ainda tem participações com a cantora Mart’nália e com Moacyr Luz. Theo se diz um estudiosos de música e da sua história e busca inspiração nas suas pesquisar para compor.

— É um estudo de vida, sou curioso por natureza. Gosto de estudar, tenho prazer em estudar. Na música e em qualquer coisa, acho que é um estudo sem fim. Na bossa nova, na música clássica, no jazz, tudo você vai usar. Não tem um lugar em que parei de aprender — resume ele.

Theo, de 24 anos, também é filho da atriz Giulia Gam, que lhe incentivou a aprender um instrumento musical desde criança. Aos 10, ele aprendeu violão.

— Logo que aprendi três acordes, eu já começava a criar música, pegava bases e pensava em melodia e letras. A composição é algo que sempre me apaixonou e acho que foi o que me levou até a música. O ato criativo da composição sempre me inspirou muito. Sou meio viciado em compor. Tenho muitas músicas que vou fazendo ao longo dos dias. A música “Ela”, por exemplo eu já tinha escrito e ficou guardada. Porque eu acho que cada música tem um momento — conta Theo sobre a faixa que está neste novo disco.

Entre os bloqueios criativos normais de todo artista e momentos muito produtivos, ele explica ainda como gosta de escrever.

— A primeira etapa de composição minha é muito subjetiva e emocional. Depois gosto de ter um momento mais racional, de pensar um pouco mais sobre as notas e letras. Gosto de lapidar algumas coisas — conclui ele.