FioCruz: 6 estados em alerta crítico e 12 em alerta intermediário

O Boletim do Observatório Covid-19 Fiocruz divulgou nesta quarta-feira (26/1) uma Nota Técnica sobre o cenário da pandemia no país, tendo como foco os indicadores de leitos de UTI para adultos no SUS. Segundo a publicação, a situação é de piora, com muitos estados ampliando o número de leitos de UTI, e em 12 unidades da Federação (UF) houve um aumento nas taxas de ocupação. Das 27 UF, 6 estados e o Distrito Federal estão na zona de alerta crítico, 12 estados estão na zona de alerta intermediário e 8 estão fora da zona de alerta.

Os pesquisadores do Observatório afirmam que a situação está nitidamente piorando, embora o avanço da vacinação ajude a desenhar um quadro diferente do de outros momentos mais críticos da pandemia. Como fica claro na Nota Técnica, com a grande transmissibilidade atual, com a variante Ômicron, mesmo um número inferior de casos que necessitam de internação em UTI gera números expressivos que pressionam o sistema de saúde.

A vacinação faz com que indivíduos se tornem pouco suscetíveis a internações, mas idade avançada e comorbidades podem gerar vulnerabilidades. Até porque, uma parte considerável da população ainda não recebeu a dose de reforço e outra parcela nem foi vacinada. Diante desse quadro, e em meio a estação mais quente do ano, que é também um período de férias que favorece aglomerações, a Nota Técnica reforça a importância de avançar na vacinação e endurecer a obrigatoriedade do uso de máscaras e do passaporte vacinal em locais públicos. Os pesquisadores também sugerem a promoção de campanhas de orientação à população e o autoisolamento quando do aparecimento de sintomas.

Pernambuco (81%), Espírito Santo (80%) e Goiás (82%) se mantiveram na zona de alerta crítico, juntando-se a eles Piauí (82%), Rio Grande do Norte (83%), Mato Grosso do Sul (80%) e Distrito Federal (98%). Na zona de alerta intermediário permaneceram Amazonas (75%), Roraima (70%), Pará (76%), Tocantins (77%), Ceará (75%) e Bahia (67%) e entraram Rondônia (65%), Amapá (69%), Rio de Janeiro (62%), São Paulo (66%) e Paraná (61%), que estavam fora da zona de alerta. Mato Grosso (78%) deixou a zona de alerta crítico e também ingressou na zona de alerta intermediário.

Entre as 25 capitais com taxas divulgadas, 9 estão na zona de alerta crítico: Porto Velho (89%), Rio Branco (80%), Macapá (82%), Fortaleza (93%), Natal (percentual estimado de 89%), Belo Horizonte (95%), Rio de Janeiro (98%), Cuiabá (89%) e Brasília (98%). Catorze estão na zona de alerta intermediário: Manaus (75%), Boa Vista (70%), Palmas (69%), São Luís (64%), Teresina (percentual estimado em 79%), Maceió (65%), Salvador (67%), Vitória (77%), São Paulo (71%), Curitiba (71%), Florianópolis (69%), Porto Alegre (60%), Campo Grande (79%) e Goiânia (75%).

@Coroners

ninguém aguenta mais

11111111 para os vacinados

E querem voltar tudo presencial aqui, o massacre que vai ser.

2 curtidas

Partiu aglomerar?

vocês viram a taxa de infecção no Rio de Janeiro?

2,06 :skull::skull::skull:

e a gente surtava quando dava 1,30

Esfarelou

Eles dobrando a meta

E alguem ta ligando? Nao. Foda

e o feriado de carnaval intacto
o estrago q vai fazer

1 curtida

Rio sempre surpreendendo. Cidade maravilhosa

esperava mais esfarelamento, já que somos bolsonaristas antivax enquanto as capitais do Sudeste são lulistas pró vacina

A maioria da população do Amazonas eh jovem, no sudeste tem muito idoso

como será que vai estar em março

A imunidade de rebanho.

É tão insano ver esse cenário mesmo depois de tanto tempo. Ainda tem o plus, a sensação de que nada está acontecendo é muito grande pq as pessoas estão seguindo suas vidas normalmente.

1 curtida

a situação ta tensa, só não esta pior por conta da vacina
o pior é que realmente tudo voltou ao normal e a sensação é que não tem nada acontecendo…

250 mortes diárias no Brasil em março
Estimativa da universidade de washington

tu tá me zoando ou é vdd msm

aqui mo esse site da universidade de washington faz projeções pra pandemia

1 curtida