Globo bebe na fonte de Mar do Sertão para resgatar público com No Rancho Fundo

Próxima novela das seis, No Rancho Fundo não furou a fila à toa. Ao recusar a sinopse de O País de Alice, de Lícia Manzo, a qual considerou muito elitista, a direção de Dramaturgia da Globo olhou para Mar do Sertão para definir a sucessora de Elas por Elas.

Escrita e dirigida pelos mesmos profissionais que tocaram o enredo de Candoca (Isadora Cruz), Mário Teixeira e Allan Fiterman, respectivamente, No Rancho Fundo tem como encomenda mergulhar no mesmo universo lúdico que marcou os 178 capítulos de Mar do Sertão.

Com a escolha, a Globo coloca suas fichas no que julga uma aposta segura, certa, em vez de ousar e dar mais um tiro no pé - a atual ocupante do horário tem oscilado entre 10 e 14 pontos, marca assombrosa para uma produção inédita.

Mais do que isso, a opção por Mário Teixeira e companhia, pouco mais de um ano após sair do ar, foi feita com base no que a emissora considera como uma novela ideal para agora, ou seja, tramas leves, empolgantes, com sotaques variados, diversidade racial e representatividade. Para a Globo, é importante que todas as regiões do Brasil se sintam representadas em suas telas.

Além disso, o grupo de discussão de Elas por Elas, que apontou que o folhetim não dialoga com o perfil da faixa, em um erro crasso de avaliação de José Luiz Villamarim e Amauri Soares, revelou que o telespectador desse horário se sente mais atraído por fábulas, romances e enredos de época.

A Globo, pelo menos neste momento, prefere não mais contrariar essa lógica, daí a escolha por uma proposta “adequada” à faixa. Inclusive, há encomendas feitas a Alessandra Poggi e Duca Rachid, que escreveram Além da Ilusão e Amor Perfeito, consideradas dois acertos recentes. A ideia é seguir essa sequência.

Mais do que entregar o que o público quer ver, a Globo também vai apelar para o sentimento de nostalgia. Com No Rancho Fundo, a intenção é resgatar o espectador que parou para ver Mar do Sertão de norte a sul do país. Assim como Vai na Fé às 19h, o folhetim é citado pela atual direção como um modelo a ser seguido.

E é a partir dessa “operação resgate” que personagens da trama anterior serão recuperados. Deodora (Debora Bloch), Sabá Bodó (Welder Rodrigues), Nivalda (Titina Medeiros), Floro Borromeu (Leandro Daniel) e Cira (Suzy Lopes) ganharão novos contornos e funções na sucessora de Elas por Elas.

A estratégia não é inédita, pelo contrário, já foi vista em Belíssima, com a volta de Jamanta (Cacá Carvalho), de Torre de Babel, e em Deus nos Acuda, com o retorno de Dona Armênia (Aracy Balabanian), de Rainha da Sucata. Tantos personagens de uma vez, porém, trazem um novo desafio. Não à toa, No Rancho Fundo foi chamada inicialmente de Mar do Sertão 2.

Com estreia prevista para 1° de abril, No Rancho Fundo é inspirada na peça A Capital Federal, de Artur Azevedo. O enredo gira em torno da protagonista Quinota, filha de Zefa e Tico Maciel, que vivem em Lasca Pedra, também na região do Cariri, assim como Canta Pedra (onde Mar do Sertão foi ambientada), um lugarejo sem eletricidade, água encanada e outros itens básicos. De origem humilde, ela se entrega a Marcelo, um rapaz da “cidade grande”.

Ao ver a filha desonrada, Zefa Maciel sai à procura do “malfeitor”. Nesse meio tempo, porém, Quinota conhece seu grande amor, Arthur. A partir aí, constitui-se uma velha e boa história de amor, com mocinhos, vilões, encontros, desencontros e toques de humor.

Além dos remanescentes de Mar do Sertão, o elenco de No Rancho Fundo conta, por enquanto, com Luisa Arraes e José Loreto, nos papéis de vilões do enredo, e Andréa Beltrão, Eduardo Moscovis e Alexandre Nero.

Larissa Bocchino fez testes para viver Quinota e agradou a direção da novela, segundo informou Duh Secco. A mineira de 24 anos vem sendo muito elogiada durante as gravações de Guerreiros do Sol, próxima trama original do Globoplay. Outro que foi bem avaliado foi Igor Jansen, lançado à fama pelo SBT em As Aventuras de Poliana. A Globo pretende fechar o elenco da produção ainda na primeira quinzena de janeiro.

Mas será que ainda ta fresco na memoria?

Eles tinham que reconhecer o erro, terminar Fuzuê logo, começar a gravar Rancho Fundo e subir Elas Por Elas pro horário das 7

a trinca além da ilusão-mar do sertão-amor perfeito conseguiu resgatar um pouco da audiência depois do flop de nos tempos do imperador
aí chega a globo e estraga tudo colocando novela das 7 no horário errado

Puts, fazer novelas “iguais” na faixa das 6 e das 9 repetindo a mesma fórmula e temática num curto espaço de tempo. Essa nova direção é um desastre

Mudança de horário de uma novela no ar nunca vi isso acontecer

Esse aí delirou muito

Só se a Globo virasse SBT para fazer esses tipos de mudança kkkk

Só não faz isso no Norte

porra tanta fonte para beber vai logo pegar essa água de chuca

eu até que gosto do fitterman, AGORA do mario…