Governo da Coreia do Sul sentencia à prisão dois soldados por praticarem sexo consensual, acusando-os de "estuprarem" um ao outro


Um tribunal militar sul-coreano foi acusado de discriminar minorias sexuais depois de declarar dois soldados homens culpados de indecência por praticar sexo oral consensual.

A decisão, que ocorreu em março, mas saiu na semana passada, considerou as ações dos soldados “beiradas ao estupro” e lhes deu uma sentença de prisão suspensa de seis meses ao aplicar o polêmico artigo 92-6 da Lei Criminal Militar.

De acordo com uma decisão de oito páginas vista pelo Guardian, em dezembro de 2020, um soldado entrou na tenda de outro ao longo de duas noites em um momento em que eles faziam parte de um grupo isolado devido a Covid-19. Ao praticar sexo oral mútuo, eles “molestaram” uns aos outros, diz a decisão.

O advogado da dupla disse que o ato “foi consensual” e, portanto, eles eram inocentes. O tribunal discordou. Interpretou que o sexo oral, segundo o código militar, “beirava o estupro”. A conduta dos réus, disse, “é considerada contrária à boa moralidade sexual” e estava “infringindo gravemente” a manutenção da disciplina militar. A lei não diferencia se o ato foi consensual, fora da base ou fora de serviço.

Embora a homossexualidade não seja ilegal na Coreia do Sul, ela continua sendo um tabu em uma sociedade amplamente conservadora. O presidente Moon Jae-in - um ex-advogado de direitos humanos - disse antes de se tornar presidente que era contra a homossexualidade e “não gostava disso”.

Soldados gays podem ser processados. Em 2017, o artigo 92-6 foi usado para monitorar e punir indiscriminadamente homens gays nas forças armadas, um movimento que os defensores dos direitos humanos na época denominaram de “caça às bruxas”. Mais de 20 pessoas foram acusadas. Também há casos de soldados gays sendo enviados para enfermarias psiquiátricas.

Atitudes discriminatórias em relação aos soldados LGBTQ ressurgiram em 2020, quando Byun Hee-soo, uma sargento, foi dispensada à força após passar por uma cirurgia de transição de gênero e ser classificada como “deficiente”. Ela foi encontrada morta no início deste ano.

1 curtida

Gente?

Lembrando que é um tribunal militar

Militar tem bom senso desde quando

1 curtida

e ainda querem falar da coréia polular

2 curtidas

Mais um pra Coréia. Homofóbicos do caralho.

1 curtida

Militar sendo homofóbico isso é old dos olds

ainda mais militar nesse país conservador

Coitados, ser gay e se alistar deve ser um inferno.
Esses dias atrás eu vi que os outros soldados ficam tentando ver os idols pelados :skull: e assediando eles, alguns tem até que mudar de alojamento por causa disso.

estão sabendo bem o q é estupro
vixee

Pior que lá é obrigatório servir. Pelo menos aqui a gente é dispensado.

2 curtidas

Os recheios vêm aí.

Como é bom morar no brasil e poder ser gay em paz

4 curtidas

puts… pior que ele é um bom presidente

Que Brasil que vc vive

4 curtidas

mico de país

Que Brasil é esse?

Nossa que merda essas lei não pode nem dar uma mamada mais

Coreia de meeeeerda

1 curtida

país podre cheio de gente sem noção

2 curtidas

Aqui n é perfeito mas é melhor que muitos países da ásia e áfrica pelo menos

3 curtidas

Eu sei que a situação é toda complicada,
mas eles não tinham um lugar melhor para isso não ?
Fazer sexo no serviço e em uma tenda de isolamento da covid ?

1 curtida

tu sabe que o brasil é o país que mais mata LGBT no mundo né?

1 curtida