HISTÓRICO: Há 28 anos, Madonna dava inicio a sua 4º turnê. Relembre sua primeira vez no Brasil.


Com o polêmico disco ‘Erotica’ lançado no ano anterior, Madonna chegou com a turnê ‘The Girlie Show’ para a sua primeira passagem pelo Brasil em novembro de 1993. O frisson em torno da artista foi gigantesco, com apresentações concorridas em São Paulo [ Morumbi ] e Rio de Janeiro [Maracanã].

01/09/1993 – coletiva de imprensa anunciando oficialmente os 02 shows de Madonna no Brasil: 03 de novembro no Morumbi (SP) e 06 de novembro no Maracanã (RJ). Foi a partir daí que se iniciou um frenesi midiático na imprensa brasileira.

Quase que ao mesmo tempo, saiu o anúncio dos 02 shows de Michael Jackson no Brasil (ambos no estádio do Morumbi). O brasil, que não recebia shows pop desse porte, ia receber logo 02 - e eram os 02 maiores. Madonna vinha com sexo e Michael já sob acusação de pedofilia.

Ainda não havia internet em 1993; tudo era através de jornal, revista e televisão. Do dia do anúncio dos shows, no início de setembro, passando pelo início da turnê em Londres (25/09) até as 02 primeiras semanas de novembro, Madonna era o assunto, principal, até mais que Michael.

Em 1993 Madonna já tinha beijando um santo negro, dançado na frente de cruzes em chamas, simulado masturbação nos shows, feito o Na Cama com Madonna (que teve um Globo Repórter só pra isso) e tinha lançado o Erotica e o livro Sex. Era o próprio Satanás.

Rádio, tv, jornal e revistas veiculavam os anúncios dos shows. Os ingressos eram vendidos no RJ e SP, em pontos físicos. A produção criou o ‘Disk Madonna’, pra informações. (21) 275-6141 e (11) 822-8038, das 10:00 às 18:00. O ingresso era um cartão magnético (novidade por aqui)

O cachê por cada show era de 500 mil dólares (01 milhão de dólares no bolso de Madonna). Além disso, patrocínio de 1 milhão e 200 mil dólares da Antarctica para o evento em si: marketing, divulgação e organização. Fora o patrocínio da Antarctica, haviam co-patrocinadores.

Outubro, 93 - com todo o frisson pelo evento começaram as especulações: O que Madonna faria no Brasil, que boates iria, os passeios, onde ela iria malhar, se ela faria sexo grupal e até mesmo foi dito que ela ficaria numa ilha em Búzios, ao invés de hotel na cidade. Tudo mentira.

Liz Rosenberg, a assessora de Madonna, fazia a ponte com a imprensa, alimentando o noticiário. Disse que Madonna estava solteira e louca pra achar um boy brasileiro, que sabia que o Brasil era caliente e que Madonna tava empolgada. Tudo a imprensa noticiava.

A comitiva de Madonna trazia 110 pessoas, a maioria vinha num Boeing fretado. Só Madonna trazia 40 malas. O palco do maracanã viria do show em Buenos Aires, o de São Paulo viria do show de Porto Rico. A turnê tinha 04 palcos idênticos.

A imprensa acabou tendo acesso a lista de exigências de Madonna: champagne cristal, Velas, jogo de jantar em porcelana chinesa, talheres de prata, guardanapos de linho. Linhas telefônicas para equipe e 01 linha telefônica secreta para uso pessoal de dela…
150 toalhas para uso da equipe; pra Madonna eram 12 toalhas de banho, 06 de rosto e 04 de mão – por show. Um umidificador, sabonetes florais e até coleta seletiva de lixo – que a imprensa considerou “exótico” na época.

Madonna trouxe a cozinheira particular, Jane Nivel. O hotel reservou uma parte da cozinha somente pra ela. Toda a comida de Madonna foi comprada em SP e ficava separada em geladeira e despensa própria na cozinha do hotel.

Madonna trouxe 03 seguranças particulares. Além deles, a produção brasileira colocou outros 10 em volta– 24 horas, bilíngues e praticantes de arte marcial. Wallid Ismail, chefe de segurança brasileiro, era manauara, lutador de jiu jitsu e e disse que Madonna ‘era muito na dela’.

01 de novembro de 1993 – Aeroporto de Cumbica, Guarulhos. No mesmo dia em que Fellini morreu, as 21:30, o avião fretado de Madonna pousou. Jornalistas ficaram isolados num reservado na pista. Fâs não tiveram acesso. Madonna desceu, deu um sorrisinho e entrou num furgão.

Madonna saiu do aeroporto escoltada e foi direto pro Caesar Park, na Rua Augusta, em SP. Ela mal sabia o que a esperava. A suíte imperial tinha 350 mts quadrados, no 16º andar - de frente pra rua augusta. A janela do quarto dava pra outro edifício. Que roubada.
Eram 70 quartos no Caesar Park. Quando Madonna pegava o elevador, ninguém mais podia entrar (incluindo hóspedes). Uma repórter da Caras foi pega perambulando pelo andar de Madonna, descoberta, foi gentilmente convidada a encerrar a conta.

O motorista contratado pra dirigir o veículo com Madonna tinha 28 anos, era bilíngue e assinou cláusula de confidencialidade, impedindo-o de falar sobre o que ouvisse dentro do carro. ‘Ela não dirigiu a palavra a mim uma única vez. O rádio era mantido desligado’.

Na chegada ao hotel, clima de guerra instalado: 600 pessoas em frente ao Caesar Park gritando ensandecidas. Pelo menos 05 meninas fizeram strip-tease; drag queens desfilavam. A atriz Mara Manzan, no prédio em frente, de topless, engolia fogo e soltava labaredas pela janela

Quando o furgão chegou na rua, o povo enlouqueceu. Uma PM levou um soco de um fã e foi levada pra um hospital com o nariz fraturado. Houve tentativa de invasão ao hotel. No meio da confusão, um homem colocou o pênis pra fora e começou a se masturbar – foi preso e levado dali.

A estudante Ana Paula almeida tentou entrar correndo pelo saguão do hotel. Na segunda tentativa, foi presa. Uma travesti de 13 anos, causou na frente do hotel; e ainda tinham as drags – que naquela época a família brasileira nem fazia ideia do que se tratava

O dono de uma loja de lingerie vendia as “calcinhas de Madonna”. Bares criaram drinks em homenagem, e o comércio do entorno faturou em cima. Todas as boates gays fizeram festas temáticas (e todo mundo jurou que Madonna ia aparecer nelas).

Fernando Pires, designer de sapatos teve sua chance quando soube que o irmão de Madonna estava na boate Rave. Entregou-lhe um par de sapatos e um cartão. No dia seguinte, o irmão apareceu dizendo que Madonna não conseguia sair do hotel; acabou levando um par de sandálias

”No dia seguinte eu a vi pela TV subindo no avião pra o Rio com a sacola na mão! No Rio, ela saiu pra jantar e foi fotografada com a sandália. Passei um ano inteiro fazendo a mesma sandália e quando acabava, me ligavam: “Tem a sandália da Madonna? Me deu muita sorte!”

Madonna dispensou o ar condicionado . Tentou abrir a janela do quarto, mas além da janela não abrir o bastante, o barulho dos fãs e dos carros buzinando em frente a fizeram desistir de levar um ventinho

O jornal O Estado de São Paulo, alugou um quarto num apto do prédio em frente. Mandou lá o fotografo Clóvis Pereira. A missão: fazer um flagra de Madonna. Munido de uma teleobjetiva, o fotografo clicou Madonna de camisola, conversando com um boy de cueca, dentro da suíte


No dia seguinte, o furo: O Estadão publica na primeira página a tal foto. Enquanto havia todo um esquema de guerra impedindo o acesso ao hotel onde Madonna estava, o jornal conseguiu a foto e a equipe de produção de Madonna ficou enfurecida com a invasão da privacidade.

a PM trocou os cavaletes por grades. A calçada do hotel ficou isolada, somente o outro lado da rua tinha acesso de pedestres. O trânsito travou porque todo mundo queria passar na rua e tentar ver e buzinar pra Madonna

Marcela Radosavljvic (guarde esse nome) invadiu o Caesar Park em SP. Levada pra delegacia, ficou 02 horas por lá, depois voltou pra frente do hotel. Madonna não deu as caras na janela. Uma faixa foi extendida no edf. em frente; ‘Madonna, dont stay only in bed ‘

Dom Paulo Evaristo Arns, arcebispo de SP, apelou para que Madonna não desse escândalos. “São Paulo acolheu milhões de italianos, que nos deram prova de uma vida digna”. Perguntado se gostava das músicas de Madonna, respondeu: “Deus sabe que não conheço nenhuma, graças a Deus”.

no dia do show, Madonna resolveu que queria cantar a música Garota de Ipanema. Monique Gardenberg, da Dueto, despachou um produtor a um shopping pra comprar um cd de Tom Jobim, enquanto ligava pra casa dele no Rio, a fim de conseguir as cifras da canção. Tom enviou por fax

Um executivo da Warner no Brasil ficou encarregado de ensinar frases e palavrões em português pra Madonna. Já na concorrência, a Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima convocou os fiéis para assistirem ‘Madonna, a mãe verdadeira, em exibição permanente e gratuita’

Um brasileiro hospedado no Caesar Park botava a conta das refeições em nome da produção de Madonna. Ao passar um cheque roubado pra pagar a hospedagem, a polícia descobriu que ele fornecia maconha pra equipe de produção dela. O traficante foi levado pra 4ª DP.

Soundcheck no Morumbi. Pela primeira vez na carreira, Madonna fez a passagem de som na presença das primeiras pessoas que entravam no estádio, as 15:00. Era vetado |à imprensa, mas o jornal Aqui e Agora, do SBT, conseguiu filmar escondido das arquibancadas.

Madonna ficou empolgada com todo o entusiasmo por ela. Enrolou-se na bandeira do Brasil e perguntou o significado de “ordem e progresso” escrito na bandeira. “Eu gosto disso”, falou, quando traduziram a inscrição para o inglês.

A folha de S. Paulo contou: Madonna no soundcheck repetiu a palavra buceta 31 vezes e fuck 21 vezes. Pediu pra que a mostrassem como se gesticulava aqui no Brasil o ato de foder. Adorou o som da palavra ‘bunda’ e criou uma rima com ‘Bunda suja’, feita durante os 2 shows.

03/11, 21:00 – 85 mil pessoas no Morumbi. ;Madonna surgiu de chicote e máscara, vestida de dominatrix. Quando chegou no refrão de Erotica (a música de abertura) e passou o chicote no meio das pernas, o estádio urrou. Daí por diante, foi um carnaval.

Naquela época num tinha área vip na pista e os famosos ficavam longe ( Veraholtz e Guilherme Leme foram pra o gramado). Na quinta música, Express Yourself, Madonna finalmente falou: ‘Oi Brasiôu, vamos chegar”. Catarse coletiva.

No Brasil ninguém o público não se chocou tanto com o show, foi só festa: o topless da dançarina, a esfregação de Madonna com 02 boys no palco, o tema latino em La Isla Bonita, a orgia em Deeper and Deeper e de ouvir Madonna falar “mi buceta es mi vida”

https://pbs.twimg.com/media/Ecod7xeXkAAx5H8?format=jpg&name=small

Ao contrário do público de outros países, mais adulto. Os shows de Madonna no Brasil também atraiu, pasmem, crianças. O show tinha censura 10 anos, mas um juiz, passado com o show de SP, subiu a censura pra 14 Anos, só podendo entrar acompanhado de 01 adulto.

21 curtidas

Acho que esse foi o maior buzz de um artista de fora no Brasil.
Lendaria.

7 curtidas

Essa thread é ótima

1 curtida

Girlie Show no Brasil foi um evento estupendo
icônica demais
só foi repetir algo próximo a isso em 2008 quando veio com a S&S

3 curtidas

Bônus

Matéria de Glória Maria no Fantástico (tem a Marcella invadindo o palco em La Isla Bonita - em 03:20).

a chegada em SP.

Jornal da Globo 03/11 – o show em SP.

Matéria sobre o show no Rio

Matéria MTV

Fonte: Mauricona no Twitter: “1993 – Sabe como foi a primeira vez de Madonna no Brasil?Ricardo Boechat soltou a primeira nota, mas o babado começou 06 meses antes. Bora saber o que rolou naquele longínquo ano de 1993? Segue o fio. https://t.co/SKVmzNeDMc” / Twitter

6 curtidas

Daria minhas duas pernas e um rim pra ir nesse show e na Sticky, ambos lendários.

2 curtidas

@Madgefans

Incompetentes.

1 curtida

Superado somente por ela mesma em 2008 com a seg vez.

Queria que a próxima turnê fosse huge. Podia anunciar que é a última e enfiar umas 8272628 datas mas fazer um show mais leve pra que ela aguentasse. Não posso morrer sem ver essa mulher ao vivo.

2 curtidas

A Tidinha

a mary achando que engana alguém

Meu sonho que ela aloprasse na farewell tour e metesse logo umas 200 datas
nem que para isso passasse 3 anos em turnê
podia deixar uns espaços maiores entre as datas e fazer um show mais leve

O que te impediu de ir em 2008 e 2012?

@LOANN consegue fixar o topico por algumas horas?
eh muito lendario

DIVAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

a performance de fever meu deussssssssssssssssssssssss
os pisões de bota que ela vai dando até tirar a máscara e falar “you give me fever”, o povo gritando, indo a loucura, é nessa parte que eu sou ARREBATADO…

2 curtidas

tive até que botar pra tocar aqui…
NADA igual a essa turnê, NADA igual a essa performance… a energia, a aura desse show… moldou a pessoa que eu sou hoje em dia… eu assisti pela primeira vez quando eu tinha 13 anos e um celular MINÚSCULO, um fone de ouvido que só pegava um lado… fiquei arrepiado até o final, sério. não tem show de diva que vai chegar aos pés disso.

8 curtidas

Ela serviu tudo

1 curtida

o dossiê da real queen of pop

1 curtida