Jovens músicos de Cáceres lançam clipe na levada soul

Minha tia é a produtora mores, to fazendo notícia.

Será lançado, dia 04/02 a partir das 5h o áudio da música “Negro” e dia 05/02 às 15h estreia do clipe da música. Ambos os formatos estarão disponíveis no canal Youtube Bugre Soul. O projeto “Bugre Soul” reúne três jovens músicos de origem afro-brasileira residentes em Cáceres-MT.

Sabemos que as dificuldades em produzir música independente estando no interior de Mato Grosso, aumentam, por isso a partir da publicação do Edital Movimentar/2020 viram a oportunidade de viabilizar a proposta musical de compor, interpretar e gravar música autoral no estilo R&B Contemporâneo.

João Gabriel Alvares Gil (mais conhecido como Biel), 20 anos, músico, compositor e instrumentista é da Banda Wenceslau que faz jus ao estilo musical Funk, Soul e Rock. Gabriel Ferreira, 26 anos, músico, compositor, ator, desenhista, sonoplasta e produtor cultural.

Suas composições navegam também pelas ondas do Soul e Rock. E Caroline Siqueira Lopes, 17 anos, é cantora, compositora e transita pelos gêneros musicais do pop e MPB.

Agora os três se juntam para dar vida a este projeto musical. Sobre a escolha do nome “Bugre Soul”, segundo a Wikipédia o termo “bugre” é uma denominação dada aos povos indígenas por serem considerados não cristãos pelos europeus.

A palavra vem do francês “bougre” que significa “herético” segundo o Dicionário Houaiss. Como podemos perceber, desde sua etimologia a palavra carrega um sentido pejorativo e preconceituoso. Lamentavelmente com o passar dos séculos esta prática perversa não desapareceu.

Pelo contrário, o povo Chiquitano que vive na terra indígena denominada de Portal do Encantado, abrangendo áreas dos municípios de Porto Esperidião, Pontes e Lacerda, Cáceres e Vila Bela da Santíssima Trindade, continuam sendo tratados violentamente por esta denominação depreciativa.

O título, portanto, é uma forma de combater a lógica moderna racista exaltando a ancestralidade indígena (bugre) e negra (soul).Também sonoramente pode-se afirmar: bugre sou (l).

A canção “Negro” contribui para desmontar essa artimanha cínica que constrói sistematicamente estratégias de cunho político, social e cultural que forjam formas que amenizam e contemporizam os conflitos raciais. Enfim, que a gente possa ter mais músicas em que possamos orgulhar da nossa descendência negra, e/ou refletir sobre as práticas racistas.

Ainda está previsto um vídeo depoimento onde o trio falará sobre o processo criativo, desenvolvimento do projeto, influências artísticas, dificuldades encontradas para atuar nesse campo da arte e claro, apresentarão outra música composta e interpretada pela Caroline Lopes.

Em breve divulgaremos a data da estreia. O clipe, o áudio e o vídeo poderão ser acessados pelo canal do Youtube Bugre Soul.

Outras informações

O projeto “Bugre Soul” foi aprovado pelo, Edital Movimentar 2020 do Programa Mais Cultura, sendo, portanto, apoiado pela SECEL-MT, Governo Federal, Ministério do Turismo, por meio da Secretaria de Cultura.

Ficha técnica

Composição: Gabriel Ferreira Santana e Pedro Assis dos Santos Garcia

Gravação/Masterização/Mixagem/Edição: Fermatta Produção Musical

Designer Gráfico: João Alexandre

Produção Videoclipe: Silmar Nunes

Direção Artística: Gabriel Ferreira e Silmar Nunes

Produtora Executiva: Suzana Guimarães