Juíza autoriza hospital a desligar aparelhos de garoto em coma no Reino Unido

Uma juíza determinou que seja interrompido na Inglaterra o tratamento de um garoto que está em coma após sofrer uma lesão cerebral.

Archie Battersbee, de 12 anos, foi encontrado inconsciente em sua casa na cidade de Southend-on-Sea no dia 7 de abril.

Médicos do Royal London Hospital, na capital britânica, onde o garoto está internado, disseram à Justiça que era “altamente provável” que Archie tem “morte cerebral” e solicitaram autorização para desligar os aparelhos.

Hollie Dance, mãe do garoto, disse que estava “devastada” e que a família planejava entrar com um recurso judicial para que o tratamento de Archie prossiga.

O menino de 12 anos sofreu lesões cerebrais em sua casa. Sua mãe diz acreditar que seu filho participou de um desafio online que o deixou inconsciente mais de dois meses atrás.

Hollie e o pai de Archie, Paul Battersbee, estão sendo apoiados pela organização Christian Legal Center em sua tentativa de conseguir na Justiça que os aparelhos sejam mantidos em funcionamento.

Durante uma audiência de três dias na semana passada, especialistas disseram que testes clínicos não mostraram atividade cerebral “discernível”.

A juíza Emma Arbuthnot então disse que dava “permissão aos profissionais médicos do Royal London Hospital para deixarem de ventilar mecanicamente Archie Battersbee”.

Mãe critica decisão judicial

Em um comunicado divulgado após a determinação da juíza Arbuthnot, a mãe de Archie declarou estar “devastada e extremamente decepcionada com a decisão depois de semanas travando uma batalha legal, quando o meu desejo era estar ao lado da cama do meu filho.”

“Basear essa decisão em um teste de ressonância magnética e definir que ele ‘provavelmente’ está morto não é o suficiente. Acredita-se que esta seja a primeira vez que alguém foi declarado ‘provavelmente’ morto com base em um teste de ressonância magnética”.

Ela disse que se sentiu “enojada” que o hospital e a juíza não levaram em conta a vontade da família e acrescentou que não acredita que “Archie tenha tido tempo suficiente”.

“Seu coração ainda está batendo, ele segurou minha mão e, como mãe, sei que ele ainda está lá”, disse ela.

“Até que seja a vontade de Deus, não vou aceitar que ele vá embora. Já soube de milagres em que as pessoas têm morte cerebral e voltam à vida.”

“Pretendemos entrar com um recurso e não vamos desistir de Archie.”

A juíza Arbuthnot disse que a devoção da família de Archie era “extraordinária”.

“Se Archie permanecer respirando por aparelhos, o resultado provável para ele é morte súbita e as perspectivas de recuperação são nulas”, disse ela.

“Ele não tem prazer com a vida e seu dano cerebral é irrecuperável”, disse Arbuthnot. Segundo a decisão da magistrada baseada nos registros de ressonância magnética, a morte de Archie ocorreu no dia 31 de maio.

A situação, segundo Arbuthnot, impossibilitou que “sua querida e amada família dissesse adeus”.

“Os passos que estabeleci acima são legais”, acrescentou.

Alistair Chesser, diretor médico do grupo que administra o hospital, disse que seus pensamentos estão com a família de Archie e que está “garantindo que haja tempo para a família decidir se deseja apelar [na Justiça] antes que quaisquer alterações nos cuidados sejam feitas”.

2 meses de morte cerebral?
Tô achando que esse “provavelmente” foi inserido apenas pela mãe mesmo

Kinga

juíza recheiuda

Quem deveria ter essa decisão sempre é a família.

1 curtida

aquele australiana traida ficou quanto tempo em coma? três meses nao foi? é justo que a familia tenha a decisão

1 curtida

É no Reino Unido… O NHS é público, e manter o garoto em um leito é gasto para o governo. Por isso endereçou-se rápido para uma decisão judicial.

2 curtidas

Mas ela não a teve morte cerebral decretada, teve ?

Concordo que esse tipo de decisão tenha que ser da família, mas é complicado manter ele nesse estado no hospital se não tem qualquer expectativa de melhora do quadro

Ainda sim deveriam propor aos pais uma alternativa. Darem um tempo pra eles adquirirem um fundo ou algo assim…

era só mudar de hospital

Alistair Chesser, diretor médico do grupo que administra o hospital, disse que seus pensamentos estão com a família de Archie e que está “garantindo que haja tempo para a família decidir se deseja apelar [na Justiça] antes que quaisquer alterações nos cuidados sejam feitas”.

idw kingo que vai pagar o hospital particular em Londres pro menino em coma

Gente?

hmnm nao lembro, nao me atentei a isso também

E daí vem comentar sem saber a coisa mais importante do fato kkkkk

nao achei nenhuma informação do pq ele ta em coma, só que ele foi encontrado desacordado em casa com uma “ligadura na cabeça”

ligadura na cabeça = corte profundo.

Não concordo não
A decisão tem que ser médica.

1 curtida

O jovem Archie Battersbee foi encontrado inconsciente em casa no dia 7 abril. A mãe dele, Hollie disse que tinha passado uma tarde perfeita com o menino. “Eu estava no meu quarto quando Archie entrou com esta bolsa e um olhar atrevido no rosto. Ele ia me provocar — é assim que ele é, sempre à flor da pele”, relatou a mãe. “Ele me ofereceu um doce, mas pude ver que ele tinha nosso coelho de estimação, Simian, na bolsa. Ri com ele e disse para ele colocar o coelho de volta. Ele saiu do meu quarto e eu mandei algumas mensagens", relembrou Hollie.

Minutos depois, a mãe percebeu que o jovem estava muito quieto, porém, não se preocupou muito. “Ele tem 12 anos, não precisa de mim em cima dele em casa o tempo todo”, declarou. No entanto, depois de sair do seu quarto, ela se deparou com uma tragédia: Archie já estava desmaiado. Ele foi encontrado com uma atadura em volta do pescoço. A família, então, o levou direto para o Southend University Hospital e, depois, ele transferido para o Royal London, onde está agora.

“No começo, pensei que era um acidente bizarro, mas, desde que aconteceu, eu me pergunto se Archie poderia estar participando de um ‘desafio online’”, afirmou Hollie.