La Reina: Christina Aguilera estampa capa da Elle México

Christina Aguilera volta a cantar em espanhol e se conecta com suas raízes latinas

A cantora estrela a capa de fevereiro da ELLE México e fala sobre seu amor por Chavela Vargas.

Vinte e três anos, nove álbuns, todos os looks possíveis, uma residência em Las Vegas, três passagens como jurada no The Voice, cinco Grammys (um Grammy Latino!) e dois filhos se passaram desde que “Genie in a Bottle” foi lançado. Sem falar no tempo que passou desde o Mickey Mouse Club. Mesmo assim, Christina Aguilera aproveitou o tempo para melhorar seu espanhol ; embora às vezes a confunda que uma palavra tenha cinco significados diferentes, dependendo do país.

Encontrei Christina alguns dias depois que ela recebeu o American Music Award de ícone da música. Aproveitei para rever sua carreira, conversamos sobre suas raízes latinas (das quais ela não pretende abrir mão), seu amor por Chavela Vargas e como está cansada de pedir perdão.

Assim, Christina estrela a capa de fevereiro da ELLE Mexico e apresenta seu novo álbum em espanhol, onde canta com as artistas latinas Nathy Peluso, Nicki Nicole e Becky G.

Ileana Rodríguez (IR): Conte-me sobre seu novo álbum.

Christina Aguilera (CA) : Em fevereiro do ano passado estive em Miami e mergulhei na experiência de estar cercada pelos mais maravilhosos músicos, compositores e cantores. Me apaixonei pela música novamente. Não há nada como um sentimento de pertença e música ao vivo. Depois de tanto tempo na indústria, você esquece a parte divertida e as razões pelas quais você começou. Reencontrei aquela sensação, estávamos todos muito felizes em criar juntos. Lembrou-me do meu primeiro álbum em espanhol, My reflection .

IR: Você mencionou My reflection, por que decidiu se reconectar com suas raízes latinas vinte anos depois de lançar esse álbum?

CA : Sempre quis fazer isso, mas até agora encontrei a oportunidade. Eu faço as coisas quando elas se sentem bem. No começo fiquei envergonhado porque não falo muito bem espanhol. Sempre escutei música em espanhol, e a pessoa que agora é o chefe da Sony Music Latin America (que eu já conhecia) me deu muito apoio. Ele me ouviu, eu disse a ele que admiro muito o trabalho de Chavela Vargas e que seria maravilhoso fazer algo como “Paloma negra” no palco dela, uma das minhas músicas favoritas de todos os tempos. A paixão com que ela canta vem do além, parece muito real, muito poderosa. As instâncias em que ele deixa ir realmente me inspiraram a ter momentos como esse neste álbum. Temos músicas muito mais alegres, mas para mim foi muito importante incluir aquelas coisas que me inspiraram de outros cantores. Estou feliz.

IR: Quem te apresentou a música de Chavela Vargas?

CA : A vida. Quando criança eu ia às lojas de discos e dava uma olhada na seção de world music, do Oriente Médio à Índia e lugares onde eles usavam voz e instrumentos de forma diferente; são músicas tão poderosas que você não precisa entender o que elas dizem. É uma emoção, um sentimento; É por isso que eu amo tanto a música. É a razão de eu fazer isso. Não são as listas de popularidade, isso é o de menos. Fazer o que me faz feliz é o importante. E Chavela, sua história, seu documentário, a forma como ela empodera as mulheres; ela não mudou seu jeito de ser por ninguém, ela simplesmente se consolidou como o que ela queria ser. Em sua voz, nas músicas incríveis que ele fez, você podia sentir seu coração doer, não importa o que ele dissesse. Eu tenho muito respeito por ele. Não é sobre quantas notas um cantor toca, é sobre a emoção,

IR: Como foi seu primeiro contato com o feminismo?

CA : Através da música e do exemplo de outras mulheres fortes. O feminismo é vivido de muitas maneiras. Quando menina vi o que minha mãe passou, ela desistiu da carreira para se tornar dona de casa, para fazer seu casamento dar certo, e não adiantou nada. Não a nível pessoal, não como mulher. Isso incutiu em mim a ética profissional e me encorajou a nunca me colocar na posição de depender de um homem. Desde muito jovem decidi ser forte. Nunca tive pressa de casar, sempre quis trabalhar e cantar. Comecei quando vi pela primeira vez o filme A Noviça Rebelde . , quando cantava parecia livre. Na minha infância me senti preso e fugido através da arte e do cinema, pensando ou olhando pela janela. Aprendi grandes lições com minha mãe. Aprendi com ele sua bondade e bom coração, ele me ensinou a ser uma pessoa genuína. Foi difícil para ela terminar o casamento, muitas mulheres nunca o abandonam e sinto muito orgulho dela. É daí que vem “Oh Mother”, é uma homenagem a ela. É importante falar sobre suas batalhas porque você nunca sabe quem vai ouvir ou quem está passando pela mesma coisa. Vivo para inspirar, por isso me dedico a isso. Estar na indústria desde criança me permitiu ver que os homens sempre conseguem o que querem, vivemos em um mundo onde os homens governam. Passei por muita merda e não podia falar sobre isso. Então eu aprendi sobre os valores das mulheres, Aprendi a fazer as coisas por mim mesmo e a ter certeza de que trabalho para ter poder suficiente, para ditar as regras. Agora temos plataformas com maior alcance, podemos levantar nossas vozes e nos unir. Agora celebramos corpos diferentes, as pessoas celebram nossas escolhas de vida, estamos vivendo plenamente e não precisamos pedir desculpas. Isso é muito importante. Meu trabalho mostra que tomei as decisões certas.

@Fighters

8 curtidas

LINDA
BELISSIMA
LA FUERZA EP DO ANO

1 curtida

lenda bela

LA FUERZA EOTY

Coitada né? A Era que ninguem sabe que ta rolando.

A revista só fala de gringo, meu Deus.

perfeita

bela como sempre

espera só a revista chegar nas bancas de jornais

ouve pra ajudar

Tem onde? Pq parece algo alternativo

ela tá mt bonita, mds

parece que travou em 2002

Atualizado

Simplesmente linda e muito maravilhosa

tem em todos os canais de stream

Tá linda demais
Espero que venha indicação no Latin Grammy

2 curtidas

Está falando da Anitta?

1 curtida

Muda para a sessão Música Noticias, amigo

Linda demais

essa era tá rendendo visuais e músicas incríveis!
não sou feliz assim desde o b2b kkk

1 curtida