Latam inicia processo de demissão de pelo menos 2.700 funcionários

Não chegou a acordo com sindicato

Queria redução permanente de salário

Alegou que ‘remunera mais’ os tripulantes

E precisa manter sustentabilidade

A Latam Brasil anunciou nesta 6ª feira (31.jul.2020) que vai iniciar processo de demissão de pelo menos 2.700 pilotos, copilotos e comissários. A decisão veio depois de mais 1 fracasso nas negociações com o SNA (Sindicato Nacional dos Aeroviários), que representa a categoria.

Os tripulantes da Latam votaram por não autorizar que o SNA negocie com a empresa mudanças definitivas no modelo de remuneração. O acordo proposto pela Latam envolvia redução permanente de salário como forma de manutenção dos postos de trabalho. De acordo com o sindicato, os votos contra foram de 79% entre os comissários, 71% entre copilotos e 74% entre comandantes.

Com isso, a Latam informou que “ abrirá o processo de pedido de demissão voluntária que deverá ocorrer até 4 de agosto, após essa data será iniciado os desligamentos de no mínimo 2.700 tripulantes” .

A pandemia de covid-19 representa a maior crise de saúde pública da história e está afetando drasticamente toda a indústria mundial da aviação. A Latam é a maior e mais antiga das 3 empresas que atuam no Brasil e remunera mais os tripulantes tanto em voos domésticos quanto em internacionais, por isso, a empresa tem a necessidade de equiparar-se às práticas do setor “, disse a empresa, em nota.

A redução permanente de salário já tinha sido pauta de votação no SNA no início da semana. Na 2ª feira (27.jul), os membros do sindicato rejeitaram a proposta de acordo coletivo. Com a decisão de agora, o SNA disse que solicitou audiência com TST (Tribunal Superior do Trabalho) para tentar reverter a decisão da Latam.

Ressaltamos que o SNA já firmou mais de 60 acordos coletivos com empresas de aéreas de todos os segmentos, incluindo Gol e Azul, para enfrentamento da crise “, explicou o sindicado, em comunicado. A Latam, por sua vez, disse que “ a empresa sempre esteve aberta ao diálogo com o objetivo de preservar o máximo de empregos possíveis e manter sua sustentabilidade no longo prazo “.

A Latam teve prejuízo líquido de US$ 2,12 bilhões, o equivalente a R$ 11,32 bilhões, no 1º trimestre de 2020. A empresa entrou com pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos devido à crise provocada pela pandemia de covid-19. Além dos Estados Unidos, a operação de recuperação envolve afiliadas em mais 4 países (Chile, Peru, Colômbia e Equador).

Os Estados Unidos aprovaram em março 1 pacote de ajuda no valor de US$ 2,2 trilhões (equivalente a R$ 11,49 trilhões). Desse valor, US$ 25 bilhões (R$ 130 bilhões) foram para companhias aéreas. Em contrapartida, as empresas se comprometeram a manter os postos de trabalho até 30 de setembro.

Com o fim do prazo se aproximando, os principais sindicatos da aviação, que representam pilotos, comissários de bordo e mecânicos, pedem que o auxílio seja renovado por mais 6 meses. Em carta enviada ao congresso norte-americano, analisam que seriam necessários mais US$ 32 bilhões (R$ 167,12 bilhões) para manter as operações e funcionários de companhias aéreas de passageiros, transportadoras de carga e empresas de aviação.

No Brasil, o BNDES negocia com Azul, Gol e Latam empréstimo da ordem de R$ 6 bilhões, que será feito em parceria com bancos privados e mercado de capitais por meio da emissão de debêntures e bônus. O empréstimo seria feito com custo de CDI mais 4%.

Enquanto isso, as companhias estão negociando diretamente com os sindicatos e funcionários. Gol e Azul conseguiram aprovar acordos, mediados pelo SNA, com redução temporária de jornada e salário. Em troca, as aéreas prometeram manter os postos de trabalho.

No acordo firmado pela Gol, até setembro de 2021, 412 pilotos e 750 comissários estarão trabalhando em meio período. A partir de outubro de 2021, esses números irão cair para 330 pilotos e 600 comissários. Também foi estabelecido que esses funcionários podem pedir demissão no período. A Gol vai abrir outros 2 programas voluntários: de licença não remunerada e aposentadoria. A Azul negociou redução de 45% do salário até o 1º trimestre de 2021. A partir daí, começa a diminuir o porcentual.