LENDA DAS 700 LUAS Walcyr Carrasco volta à gruta de Alma Gêmea para garimpar novela das nove

Walcyr Carrasco faz planos de garimpar uma nova história na mesma gruta em que Serena (Priscila Fantin) via a rosa branca em Alma Gêmea (2005). O autor acenou à Globo que deseja voltar aos mitos dos terena, um dos povos originários do pantanal sul-mato-grossense --dessa vez, para recontar a lenda das 700 Luas. A nova saga do novelista é para o horário nobre.

Segundo fontes do Notícias da TV, com a terceira temporada de Verdades Secretas adiada para 2023, o novelista já se debruça sobre sua nova produção. O projeto, todavia, é bastante embrionário. Do pouco que se sabe nos bastidores, trata-se de um folhetim contemporâneo e razoavelmente realista.

A abordagem se aproxima mais à forma como a lei do retorno foi explorada em O Outro Lado do Paraíso (2017), que também teve alguns momentos de misticismo. Em um deles, as rezas de Mercedes (Fernanda Montenegro) foram fundamentais para Raquel (Erika Januza) escapar de ficar paraplégica.

Apesar de Carrasco revisitar temas e até tramas por inteiro na carreira, a nova novela está longe de ser um remake de um dos seus maiores sucessos na faixa das 18h. Além da pegada espírita, Alma Gêmea era mais focada no mito grego de Andrógino, no qual espíritos feitos um para o outro são tragicamente separados e superam uma série de obstáculos para se reencontrar.

O fio narrativo se desloca para uma história mais próxima a dos pais de Serena, que é fruto da relação entre uma indígena e um homem branco. Esse fator também está presente na fábula das 700 Luas, que servirá como norte para a produção inédita.

A atriz Priscila Fantin como Serena olha para a direita para Liliana de Castro, a Luna, em ena de Alma Gêmea

Serena e Luna em Alma Gêmea (2005)

700 Luas

O mito acompanha Cacai, que desperta a paixão de um dos chefes de sua aldeia. Ela e o cacique, então, fazem o pacto para se conhecerem melhor durante 700 luas, aproximadamente 13 anos, e enfim decidir se vão concluir o ritual na gruta que é um dos espaços mais sagrados para o povo terena.

Uma vez que os votos são trocados, os amantes não podem mais desfazer o laço. Eles se unem não só naquela vida, mas são prometidos um ao outro em todas as encarnações seguintes. Caso desobedeçam, são punidos com uma flecha no coração.

Cacai, contudo, apaixona-se por um homem branco, de olhos muito claros, antes do período chegar ao fim. Ele desfaz o compromisso, honrando a sua palavra, mas o líder não aceita a decisão. O chefe do clã então ordena que a liturgia seja cumprida e amarra a sua alma a dela para a eternidade.

Desesperada, a jovem desafia as leis de sua etnia e foge com o forasteiro. Ela é alvejada por uma seta bem no coração e o seu sangue, à medida que escorre de seu corpo, torna as águas do rio Formoso, na Bacia do Paraguai, cada vez mais cristalinas.

Alexandre Barillari, o Guto, empurra Flávia Alessandra, a Cristina, de uma escada em Alma Gêmea

Guto e Cristina em cena de Alma Gêmea

Pontos em comum

Carrasco já havia usado parte da fábula das 700 Luas para construir Alma Gêmea, em que a tragédia de Cacai se assemelha muito à mãe de Serena. Os olhos claros da protagonista também são um pormenor da lenda que caíram como uma luva diante da escalação de Priscila Fantin para viver a “índia branca” – em uma época em que a expressão ainda não era tida como problemática.

A gruta também é fundamental em ambas as histórias, já que a jovem vê a rosa que representa Rafael (Eduardo Moscovis) pela primeira vez em suas águas. A alma deles voltaria à mesma caverna depois de morrerem no último capítulo, denotando que ali surgiu o pacto que os juntou por tantas encarnações.

A doença que vitimou Serena também marca mais uma ligação com a mitologia dos terena, uma vez que tinha um sopro no coração. Um problema que sinaliza tanto a flecha que pune os que desafiam o ritual, quanto o tiro no peito de Luna (Liliana de Castro).

Priscila Fantin, como Serena, e Eduardo Moscovis, o Rafael, envoltos em luz em uma gruta em cena de Alma Gêmea

Serena e Rafael prestes a reencanarem

Walcyr vai furar a fila?

A Globo, até o momento, não tem a menor intenção de apressar Carrasco. A aposta é de que Pantanal será capaz de resgatar a audiência perdida por Um Lugar ao Sol, com dois medalhões vindo logo em seguida prontos para manter os índices dentro da meta de 30 pontos no ibope: João Emanuel Carneiro, com Olho por Olho; e Gloria Perez, com Travessia.

A rede dos Marinho também prefere dar um respiro ao público, evitando levar ao ar duas histórias que se passam no complexo pantaneiro. Apesar de localizar a nova novela na Serra da Bodoquena, o novelista vai compartilhar um detalhe importante com Bruno Luperi, o autor da nova versão de Pantanal que estreia no próximo dia 28: o rio Formoso também é um dos cenários do remake.