MARINA SQUERCIATI: Fã de novelas mexicanas, atriz de Chicago P.D. torce por final feliz para 'Burzek'

Apesar de apresentar casos policiais tensos, que envolvem assassinatos, tráfico de drogas e crime organizado, a série Chicago P.D. também prende o público com a vida pessoal dos personagens. Marina Squerciati, intérprete de Kim Burgess, sabe bem disso: ela é constantemente questionada sobre o casal “Burzek”, que a policial forma com Adam Ruzek (Patrick John Flueger).

“Eu adoro saber que os fãs torcem pela gente, porque eu torço também. Patrick é o meu melhor amigo”, conta a atriz, aos risos, em entrevista exclusiva ao Notícias da TV para divulgar a nona temporada da série, que estreia no Brasil nesta segunda-feira (10), às 23h10, no Universal TV.

Marina compreende o interesse dos fãs pela vida amorosa de Burgess: ela sabe que o romance é fundamental para manter a atenção do público --especialmente dos latinos, sempre tão ligados na paixão. “Eu cresci vendo telenovelas, minhas favoritas eram Rosa Selvagem [1987] e Duas Mulheres, Um Caminho [1993], que eram ótimas. Então eu entendo [os fãs]!”

Os novos episódios prometem um prato cheio para quem “shippa” Burzek. O casal vai tentar entender sua nova dinâmica familiar agora que Kim adotou Makayla (Ramona Edith Williams) após o pai da garota ser condenado à prisão perpétua por matar a mãe da menina.

A policial ainda colocou Ruzek como o guardião legal da menina caso aconteça algo com ela também, estreitando ainda mais os seus laços. Mas o tão esperado casamento ainda deve levar um tempo, adianta a atriz.

“Acho que toda a história com a Makayla é um passo para os dois a caminho do altar. Mas já gravamos mais da metade da temporada, e eu não vejo os dois se casando esse ano, porque eles ainda precisam resolver muitas coisas”, diz Marina, que tenta animar os fãs: “Só que tem algo muito bom vindo aí que me faz pensar que estamos rumando nessa direção”.

A atriz admite que não consegue pensar em um desfecho para Burgess que não seja com Ruzek: “Eles precisam ficar juntos para sempre. Os dois têm uma relação tão bonita, e eu acho que eles vão chegar lá eventualmente. Ainda restam algumas questões para acertar, mas eles fazem bem um para o outro.”

E a personagem merece um final feliz. Afinal, ao longo das oito temporadas já exibidas, a policial já passou por maus bocados: levou tiros, se envolveu em um grave acidente de carro, viu um parceiro tirar a própria vida na sua frente, foi sequestrada, perdeu um bebê… Sofrimento o suficiente? Que nada! Marina torce por muitos outros dramas.

Se a personagem fosse uma pessoa de verdade, talvez já tivesse chegado ao limite. Porém, como atriz, é interessante ter todas essas experiências. Minha mãe e minha família ficam pedindo para eu falar para os roteiristas que já levei muitos tiros e passei por coisas demais. Só que eu gosto! Mas na vida real ela seria uma pessoa bem traumatizada, não vou negar (risos)!

Além de Chicago P.D., o Universal TV estreia novos episódios das outras duas séries da franquia One Chicago também nesta segunda. A trilogia começa com o sétimo ano de Chicago Med às 21h30; seguido pela décima temporada de Chicago Fire às 22h20. O drama policial fecha a noite a partir das 23h10.