MEMÓRIA DA TV: À beira da falência, Record quase foi vendida para bilionário antes de Edir Macedo

Pouca gente sabe, mas antes de ser vendida para Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, em 1989, a Record quase foi parar nas mãos do magnata italiano Silvio Berlusconi. Em 1987, a emissora controlada pela família Machado de Carvalho e por Silvio Santos, que detinham 50% das ações cada, estava em franca decadência e todos os meses dava prejuízo.

Em abril daquele ano, o então presidente de Portugal, Mário Soares, fez uma visita ao Brasil e trouxe junto alguns empresários portugueses, que aproveitaram para examinar uma possível compra dos 50% de ações que pertenciam ao dono do SBT.

“Por trás do grupo, com participação na sociedade, aparece o vulto do controvertido empresário italiano Silvio Berlusconi”, informou o Jornal do Brasil de 15 de abril de 1987.

Bilionário, Berlusconi, atualmente com 84 anos, é o principal acionista da Mediaset, que controla canais na Itália e na Espanha, foi proprietário do Milan e primeiro-ministro da Itália em três oportunidades. É envolvido em diversas polêmicas e acusações, incluindo casos de corrupção. O negócio, como se sabe, não deu em nada.

Além de despertar o interesse português, a parte de Silvio Santos na Record quase foi vendida para o Sistema Jornal do Brasil e João Havelange (1916-2016), então presidente da Fifa.

Silvio não quis negociar com a Televisa

Ainda se cogitou na imprensa na época que a Televisa, do México, também estaria envolvida na transação. O negócio, que dependia de aprovação do Ministério das Comunicações, não foi para a frente.

De acordo com o livro O Marechal da Vitória (2005), de Tom Cardoso e Roberto Hockmann, foi Silvio Santos quem teria resolvido desistir do negócio com os mexicanos, avaliado em US$ 23 milhões, por não querer vender a emissora para uma empresa tão forte como a Televisa.

Já em 1988, foi aventado um suposto interesse do empresário norte-americano Donald Trump na emissora, jamais confirmado oficialmente.

A lista de candidatos à aquisição ainda incluiu o grupo responsável pelo jornal O Dia, o ex-governador paulista Orestes Quércia e Edevaldo Alves da Silva, um dos fundadores da Rádio Capital.

Investimento de US$ 45 milhões

Com cobertura essencialmente local, apenas em São Paulo, e à beira da falência, a Record acabou sendo vendida para o grupo de Edir Macedo em 1989, após complicadas e extensas negociações.

A formalização da venda, no entanto, ocorreu apenas em abril de 1990. A emissora encontrava-se em estado pré-falimentar, com uma dívida total avaliada à época em US$ 20 milhões.

Pelo negócio, foi desembolsado um total de US$ 45 milhões, divididos em um sinal de US$ 20 milhões (a serem quitados até janeiro de 1990) e o restante em prestações com vencimentos ao longo de 20 meses, a serem pagos aos proprietários.

Contudo, após muita burocracia no Congresso Nacional, a concessão da emissora foi transferida para o líder da IURD somente em 23 de fevereiro de 1994.

Será que seria uma concorrente a altura da Globo?

Sim
E hj metade do brasil falaria espanhol pq claramente a televisa ia fazer engolir guela a baixo qq novela

1 curtida

Se fosse do Silvio Berlusconi acho q hitaria muito também