Mudanças no SBT colocam Portiolli e Huck em nova briga

Nos anos 90, a disputa por audiência entre Gugu Liberato e Fausto Silva, representando o SBT e a Globo respectivamente, marcou uma geração que tinha a televisão como principal forma de entretenimento aos domingos. Era uma época distinta, assim como a TV, que possuía costumes e perspectivas muito diferentes das que hoje orientam o que é considerado certo ou errado. Em 2024, essa briga ganhou um remake com outros protagonistas. De um lado, Luciano Huck e do outro, Celso Portiolli. Desde abril, o Domingão e o Domingo Legal passaram a se enfrentar por cerca de uma hora e meia.

Nesses novos tempos, essa guerra pelo interesse do telespectador em um dia tão significativo para o faturamento, até aqui, tanto a Globo quanto o SBT, usam armas onde a qualidade e o bom gosto nunca são perdidas de vista.

Luciano Huck sempre busca fazer da primeira parte do seu Domingão algo diferente, seja um game-show, um assunto do momento, por exemplo, quando levou o Belo para falar da sua separação, ou um futebol solidário. Entretenimento puro e simples.

No SBT, Portiolli tem a seu favor o fenômeno quadro Comprar é Bom, Levar é Melhor que a cada domingo termina mais tarde e sempre ameaçando ou tirando a liderança da Globo. Aliás, hoje o Domingo Legal é a única atração que assume o primeiro lugar de audiência fora da emissora fundada pelo jornalista Roberto Marinho.

A nova briga entre SBT e Globo aos domingos
Ao final do mês, a disputa pelo Ibope entre os dois principais apresentadores da televisão adquire novas nuances. Com a ampliação do tempo de Celso Portiolli na programação, em decorrência da saída de Eliana do SBT, o Domingo Legal e o Domingão devem se confrontar, caso nada se altere, por aproximadamente meia hora, entre 18h e 18h30.

Tanto Portiolli quanto Luciano Huck estão vivenciando o ápice de suas carreiras. O Domingo Legal possui grande apelo junto às agências de publicidade e Celso é considerado o principal sucessor de Silvio Santos no SBT. Na Globo, Huck ressignificou o Domingão e transformou o programa em um produto tão qualificado quanto era na época de Fausto Silva.

O Domingão e o Domingo Legal são bons exemplos de como fazer um bom programa de auditório para TV aberta. Alguns produtores e até diretores de emissora deveriam assistir mais as duas atrações. Que venha a nova guerra pelo Ibope, quem ganha é o telespectador.