O que explica a ausência do reggaeton nos charts brasileiros?

A música urbana de língua hispânica conquistou o mundo, especialmente o reggaeton. O ritmo de origem porto-riquenha domina as altas posições dos charts e paradas globais, mas no Brasil a história é diferente. Um dos principais nomes da cena é o porto-riquenho Bad Bunny. Ele foi o artista global mais escutado do Spotify por três anos consecutivos. “Un Verano Sin Ti” é o álbum mais reproduzido da história da plataforma até agora.

Com influências do dancehall, hip hop e reggae, o gênero latino nasceu entre as décadas de 1980 e 1990. Assim como o nosso funk, o reggaeton surgiu nas ruas e foi marginalizado até ser aceito socialmente.

Até estrelas como Beyoncé, Madonna, Drake, Justin Bieber e The Weeknd (entre muitos outros) se renderam às batidas envolventes. Além de Porto Rico, o reggaeton conta com uma forte cena na Colômbia. O país exporta todos os anos artistas para o estrelato internacional. J Balvin, Karol G, Feid e Maluma são alguns deles.

Hits pontuais, como “Envolver”, de Anitta, “Gasolina”, de Daddy Yankee, e “Despacito”, com Luis Fonsi, acabaram emplacando no Brasil. Anitta foi uma das primeiras a impulsionar o ritmo por aqui. Com faixas como “Sim ou Não”, com Maluma, e “Ginza Remix”, com J Balvin, a carioca fez um novo público olhar para o gênero.

Mas… mesmo sendo gigante no mundo, o reggaeton não mostra a mesma força nas paradas brasileiras. O que explica essa ausência nos charts daqui?

A Billboard Brasil conversou com produtores conhecidos da cena latina no Brasil e na Colômbia para analisar os motivos do gênero não competir pelo topo dos charts. O primeiro deles é a promoção dos artistas pelas gravadoras e a conscientização sobre o mercado brasileiro.

Segundo César Figueiredo, da agência de gerenciamento artístico Central Sonora, esse é o maior desafio de um artista latino e é como um recomeço de carreira. A empresa é o braço brasileiro da gravadora WK Entertainment, responsável por Maluma, CNCO, Wisin, Emilia, entre outros:

O artista vai lembrar que vai deixar seu país, onde tem notoriedade, milhões de ouvintes, cachê altíssimo, e vai para um território onde ninguém o conhece. Empresários e artistas precisam entender que é um caminho a ser trilhado
a longo prazo.

Segundo o Spotify, o consumo de música urbana latina no Brasil aumentou 13% entre 2021 e 2022. Os cinco artistas latinos mais escutados do estilo, excluindo-se os brasileiros, foram: Mariah Angeliq, J Balvin, Bad Bunny, Karol G e Maluma.

Queridinhos do público

Para o empresário, a estratégia deve aproximar o artista do público com aparições em programas, de TV, ter uma boa agenda de imprensa e lançamentos estratégicos mirando o mercado brasileiro.

“Fazer com que eles gravem em português. Se um artista brasileiro faz um esforço gravando em outra língua, o esforço precisa ser recíproco para cá. Isso faz com que o público se identifique com o artista, ver que ele está se esforçando para nos agradar. Isso, culturalmente, faz uma diferença”, acrescenta Figueiredo.

Quem concorda com o empresário é o trio Los Brasileros, formado por Dan Valbusa, Pedro Dash e Marcelinho Ferraz. Os produtores são responsáveis por sucessos de artistas nacionais como Anitta, Jão, Carol Biazin e Lagum, mas também trabalharam com nomes de destaque na cena latina hispânica como Karol G, Feid e Prince Royce.

“As gravadoras têm que continuar investindo na entrada do reggaeton no Brasil, porque é questão de costume. A batida é boa, as produções são incríveis, as melodias são fodas. É um idioma que se aproxima mais do nosso. Os artistas também precisam fazer parcerias com brasileiros. Precisa também ter um interesse dessa galera para que a música deles pegue aqui”, afirma Dash. “É totalmente pela língua. O ritmo pega aqui. Vem um sertanejo, faz um reggaeton e bomba”, concorda Ferraz.

Los Brasileros e César Figueiredo

Dan Valbusa, Pedro Dash e Marcelinho Ferraz, Los Brasileros e César Figueiredo Foto: Arquivo pessoal

Para Rafael Takano, idealizador da festa latina ¡Súbete!, em São Paulo, agradar os fãs brasileiros é fundamental para a entrada no mercado.

A gente ama ser notado. Uma legenda em português nos vídeos, usar uma camisa do Brasil… Falta um pouco disso. É um direcionamento que precisa vir das gravadoras. Por ter essa dinâmica continental, elas são focadas no Brasil e têm pouca troca com as filiais da América Latina no geral.

Além do tamanho continental, o Brasil é o único país da América Latina que fala português. Por outro lado, existem fenômenos de língua hispânica, como RBD e Shakira, que movem grande público e facilmente lotam estádios.

O colombiano Alejo Cardona, CEO do clube Perro Negro, a maior balada de reggaeton da Colômbia, acredita que a língua não é determinante para a ausência do gênero nos charts. “Não acho que seja o idioma, o Brasil é muito forte em seus próprios gêneros. Consomem muito sua própria música e têm um mercado interno muito forte”, pontua o empresário.

Rafael Takano e Alejo Cardona

Rafael Takano e Alejo Cardona Foto: Arquivo pessoal

Nas telinhas

Atualmente, o funk, trap e sertanejo dominam as músicas mais ouvidas no país. O mercado brasileiro de música gravada é o 11º maior do mundo. Devido ao seu tamanho territorial, para um ritmo virar sensação, ele precisa ser massificado.

Para Rafael, a TV foi a responsável pelos fenômenos RBD e Shakira nos anos 2000:

Vieram do SBT. O Brasil inteiro assistia a ‘Rebelde’. Shakira começou a carreira aqui no ‘Domingo Legal’ e teve trilha sonora em novela. Alejandro Sanz e Maná também. Os latinos grandes aqui tiveram esse ponto de entrada massificado. Os reggaetoneros, não.

Segundo ele, as produtoras também precisam se aproximar da comunidade latina no país e oferecer ingressos mais acessíveis para shows. A presença do reggaeton já é uma realidade no Brasil, mas é ofuscada pelos demais estilos musicais do país. “Tem muito consumo, só que fica diluído nesse gigantismo brasileiro”, finaliza Rafael.

RBD

Livramento graças a Deus

Reggaeton: o sertanejo dos hispanohablantes

3 curtidas

já temos funk como gênero “urbano” bem consolidado e mais interessante, não precisamos

O que explica a ausência do funk nos charts de países falantes de espanhol?

19 curtidas

nao eh o reggaeton, eh a linguistica

assim como funk e sertanejo only br

1 curtida

Problema do reggaeton

é isso mesmo

A foto do Rbd

somos um país continental com cultura própria, não precisamos absorver dos demais países

Glória a Deus
Merda dessa

O bem venceu nessa

não teve jabá e divulgação suficiente, sucesso é primeiramente uma questão de lavagem cerebral

Bom senso

Culpa da Anitta que fez os brasileiros acharem que é sinônimo de bomba

4 curtidas

Não faz nem falta, já temos a nossa música

e já tivemos vários hits de reggaeton no brasil: amor amor, la tortura, sim ou não etc.

A música brasileira é muito mais rica e interessante que o Reggaetton, embora eu goste também. Enfim, não precisamos

amo

lembrando que technomelody usa nt batidas de reggaeton aqui em belem, too much sucesso na periferia

1 curtida