Opinião: "Caldeirão" com Mion nasce com boa "vibe" e ótimo ibope

O primeiro quadro com Marcos Mion na Globo foi meio que simbólico: ele abriu espaço para vídeos de “malucos” enviarem suas mensagens ou simplesmente gritarem “oi, mãe, tô na Globo!”

Simbólico, sim, porque essa é uma espécie de marca registrada do apresentador —uma celebridade que encontra unanimidade até entre os doidões.

Em menos de cinco minutos já entrava o primeiro “break” comercial e lá estava o apresentador jocoso e fanfarrão explicando debochadamente o porquê do intervalo tão precoce:

“Gastamos uma grana preta com isso aqui (o cenário, o programa). Precisamos pagar. Vai entrar o primeiro comercial do ‘Caldeirão’. Não saia daí”.

Além dos “breaks” tem um “merchan” de peso, ainda: Magazine Luiza.

Com pé nas costas
Nunca houve qualquer dúvida do talento ou capacidade de Mion de trabalhar não só na Globo, mas em qualquer emissora aberta ou fechada do país, e com um pé nas costas.

Coube infelizmente a Record se tornar aquela que abriu mão de um profissional assim sabe-se lá o porquê.

O quadro seguinte foi um conhecido formato de gincana familiar, com participação de famosos (Juliana Paes, Paulo Vieira). Outros famosos também marcaram ponto: Tiago Leifert, a onipresente Ana Furtado e Larissa Manoela em outro quadro, o “Sobe o Som”.

Convenhamos: o programa não descobriu a roda, não inventou a pólvora, não está revolucionando a TV aberta brasileira e muito menos o próprio sábado. É mais do mesmo que todos nós já vimos na própria Globo.

Mas, ainda assim, o novo “Caldeirão” tem personalidade própria e uma boa “vibe”.

Boa parte disso vem do carisma próprio do apresentador.

Em alguns momentos parecia que ele estava comandando algum desafio de “A Fazenda” ou um quadro da MTV. Outra prova de atemporalidade.

Ibope
Em termos de audiência, nem nos seus melhores sonhos a Globo e Mion poderiam sonhar com os números obtidos. Sim, senhoras e senhores, há o fator novidade, a estreia do apresentador, e tudo isso atrai espectadores extemporâneos que podem não continuar nas próximas semanas.

Mesmo assim, dados prévios (não consolidados) da Kantar Media apontaram que a estreia de Mion rendeu 15 pontos de média na Grande São Paulo entre 16h30 e 18h30. Isso é praticamente o mesmo que Luciano Huck costumava registrar.

Em segundo lugar ficou a Record com 4 pontos. Em terceiro, o SBT, com 3 pontos. OS dados consolidados só saem na segunda-feira.

Cada ponto equivale a cerca de 76,5 mil domicílios.

Na média dos últimos 4 sábados com Huck, o “Caldeirão” deu 13,5 pontos. O recorde histórico de Huck foi 16.6 pontos.

Excelente também o quadro final “Isso a Globo Mostra”. É literalmente Mion infiltrando o DNA da MTV no Grupo Globo.

1 curtida

No aguardo do Huck tá menos que o Leifert amanhã

foi muito bom