Outro Zé Vaqueiro: músico desiste de briga por nome e se diz traído por empresa de Xand Avião

“É o Zé Vaqueiroooo, o originaaaaal…” É difícil não ouvir por aí o bordão do dono de hits como “Tenho medo”, “Letícia”, “Cangote” e “Volta comigo bb”. Ele se chama José Jacson de Siqueira dos Santos Júnior, tem o nome artístico Zé Vaqueiro e é um dos cantores mais ouvidos do Brasil.

Muita gente não sabe que o termo “o original” no bordão surgiu para diferenciá-lo de um homônimo de história parecida, trajetória semelhante no interior de Pernambuco e que chegou a contestar o registro do nome artístico, mas acabou comendo poeira, com sucesso bem menor.

Agora , o “outro Zé Vaqueiro”, nascido Wesley dos Santos Vieira, mudou o nome artístico para Zé Estilizado. Ele desistiu da disputa no Instituto Nacional de Propriedade Inteletctual (INPI). Wesley diz ao g1 que foi traído pela Vybbe, empresa de Xand Avião, que contratou o Zé Vaqueiro famoso.

A ideia de Wesley era mudar voluntariamente o nome e abandonar a contestação no INPI. Em troca, a Vybbe o ajudaria a pagar o material de divulgação com a nova marca. Mas ele diz que acabou ficando sem o nome artístico e sem a ajuda supostamente prometida.

A coincidência da origem impressiona: José Jacson fazia pequenos shows no sertão de Pernambuco quando entrou na onda da pisadinha com o nome artístico Zé Vaqueiro. Ele despontou ao compor um hit famoso na voz de Jonas Estilizado, “Vem me amar”, seguido dos sucessos citados no início.

Wesley também fazia pequenos shows no interior de Pernambuco quando entrou na onda da pisadinha com o nome artístico Zé Vaqueiro. Ele despontou ao compor outro hit famoso na voz de Jonas Estilizado, “Investe em mim”, seguido de músicas que até passaram da marca do milhão no YouTube, mas não decolaram.

Até o Spotify já confundiu

Hoje, fãs do Brasil todo reconhecem e curtem José Jacson como Zé Vaqueiro. Até seu casamento virou polêmica nacional, por falta de convite para a mãe (leia mais aqui). Mas até o início de 2020 a questão não era tão óbvia: no Spotify, havia apenas um perfil com nome Zé Vaqueiro, e com músicas de José Jacson e Wesley misturadas.

Ambos dizem que não sabiam da existência do outro ao escolher o nome, se conheceram e até beberam juntos. Wesley até colocou o complemento “Estilizado” no nome para diferenciar.

Os dois passaram rapidamente de vídeos caseiros com pouca repercussão a clipes vistos milhões de vezes no YouTube. Até o início de 2020, estavam em patamar semelhante de sucesso. Mas desde então José Jacson disparou e ainda assinou contrato com a Vybbe.

Na internet, os primeiros registros musicais usando o nome encontrados pelo g1 são de José Jacson. Wesley foi o primeiro a tentar fazer o registro no INPI, mas agora desistiu da causa.

g1 checou: José Jacson postou primeiro

Wesley disse ao G1 que usou pela primeira vez o nome Zé Vaqueiro em shows em 2014, mas que não fez nenhum registro, por ser menor de idade, nem postou nada na web. José Jacson diz que começou a usar o nome em 2018, e há registros na internet que corroboram com a história.

O g1 buscou nos sites YouTube e Sua Música (especializado em forró), e os materiais mais antigos encontrados com o nome Zé Vaqueiro são ambos de José Jacson, em julho de 2018.

No perfil oficial de Zé Vaqueiro Estilizado no Facebook, ele se apresentava apenas como o cantor Wesley Santos até março de 2019.

No dia 12 de abril de 2019, Wesley fez um post dizendo: “Novo projeto vem aí. Uma nova etapa da minha vida.” No dia 13 de abril, ele divulgou uma música se identificando como Zé Vaqueiro, e um mês depois, como Zé Vaqueiro Estilizado.

O anúncio do “novo projeto” e os primeiros posts no Facebook se identificando como Zé Vaqueiro foram feitos por Wesley, portanto, nove meses depois dos primeiros registros de José Jacson.

Ao ser questionado, Wesley enviou ao g1 postagens dele de 2017 que citavam o nome Zé Vaqueiro, o que poderia indicar que ele já usava este nome artístico. Mas os textos antigos foram editados por ele em 2020.

Um post original de 2017 dizia “família WS”, (de Wesley Santos). Ele editou em 2020 o texto para “família zé piseiro” antes de mandar os links para o g1 .

Encontro de Zés

Welsey já disse ao g1 que conheceu José Jacson em 2019 e que eles se deram bem. “A gente conversou, já almoçou junto, tomou cachaça, aqui em Lagoa Grande. Foi de boa”, disse no início de 2020.

O encontro foi registrado por ele no Facebook, junto com a promessa de uma parceria que nunca se concretizou. Hoje, é apenas uma lembrança de quando eles eram xarás.

Os plágios no mundo sertanejo são iguais/maiores que no mundo pop

1 curtida

Essa empresa do Xand Avião (e o próprio) são péssimos… Depois do que fizeram com Solange Almeida, deveriam ser boicotados no forró.

Pena que o Zé Vaqueiro e João Gomes estão metidos nessa gangue

O golpe do outro, ele editando os posts do Facebook pra tentar enganar o G1 kkkkkkkk

O que rolou? Não conheço essa história

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

KKKKKKK morto com a edição kkkk

Achei ele gatinho
faria muito

mais bonito que o zé vaqueiro original

zé vaqueiro lendaaaa

como é bom ser nordestino

forró more

forró/piseiro amore, não tem nada de sertanejo nisso

É só mudar pra Zé Boiadeiro, Zé Vaquinha ou coisa do tipo

1 curtida

eu mamaria horrores o zé vaqueiro

Xand Aviao tu nao vale nada

Zé Vaquinha kkkkkkkkkkkkk

Mugiria?

Muuuuu

1 curtida

ele editando a postagem kkkkkkkk