PAULO VERLINGS: Ator de Gênesis desenterra passado como padeiro para ser cozinheiro do faraó na TV

Intérprete de Shareder em Gênesis, Paulo Verlings desenterrou o passado como ajudante de padeiro para viver o cozinheiro do faraó Sheshi (Fernando Pavão) na trama bíblica da Record. “Quando eu tinha 17 para 18 anos, trabalhei em uma padaria”, relembra.

No folhetim de Camilo Pellegrini, Stephanie Ribeiro e Raphaela Castro, Shareder é um padeiro que sempre buscou uma oportunidade de trabalhar no palácio. Para ele, o emprego é sinônimo de estabilidade, pois quer dar uma vida melhor à mulher, Herit (Yana Sardenberg).

Ao lado do amigo Atarum (Sacha Bali), ele consegue a tão sonhada vaga e vira copeiro do soberano. Após anos de trabalho duro, conquista o posto de copeiro-mor e a responsabilidade de provar todas as comidas servidas para o faraó --para verificar se estão envenenadas.

Na cozinha do palácio, Shareder se destaca como um bom profissional à frente do preparo das refeições. Para construir o personagem, Verlings não precisou de aulas específicas sobre panificação, pois já tinha trabalhado em uma padaria na adolescência em São João de Meriti, no Rio de Janeiro, onde nasceu.

“É muito curioso isso (risos). Óbvio que é tudo diferente, porque no Antigo Egito não tinha a tecnologia de fermentação que temos hoje ou no início dos anos 2000, quando trabalhei como ajudante de padeiro. Mas é engraçado que eu sabia tudo, como sovar uma massa (risos)”, conta ao Notícias da TV.

Além da arte de cozinhar, o ator de 36 anos lista o que precisou aprender para encarnar o homem obstinado. “Tivemos aulas com um arqueólogo, que explicou como o povo do Egito vivia, como eram as comidas e os costumes. Ele explicou a questão da região geograficamente, para que a gente pudesse entender o que era Alto e o que era Baixo Egito”, destaca.

Depilação diária na Record
Se a habilidade gastronômica estava certa, uma outra característica do egípcio deu trabalho para Verlings: a careca. Para dar vida ao cozinheiro, ele enfrentou o tenso momento da depilação diariamente. “Foi muito radical. Não só o cabelo, como todos os pelos do corpo. Para Gênesis, tive que raspar braços, axilas, pelos do braço e do peito. Foi uma loucura. Essa experiência eu nunca tinha vivido. Foi inédita (risos)”, diverte-se.

“Tive cena sem camisa na novela. Aí não tem jeito, né? Não podia ter pelo. Raspava o peito com gilete. As axilas eu raspava com uma maquininha. E a careca eu raspava todos os dias. Foi uma loucura”, recorda.

Apesar de rir da situação agora, o intérprete entrega que foi preciso um certo cuidado nessa rotina de remover os pelos do corpo. “O couro cabeludo é muito sensível. Fomos entendendo e mesclando as técnicas. Um dia eu raspava com gilete, no outro com a maquininha. Tinha que alternar para não ferir a cabeça.”

“Eu também nunca tinha passado por um processo de maquiagem tão pesada. Por conta dos egípcios, era [maquiagem] não só no olho, mas tinha base e corretivo. Uma maquiagem bem elaborada. Eu ficava uma hora e meia para fazer todo o processo de maquiagem e raspagem da cabeça. Realmente, é uma coisa sofrida”, relembra.

Na fase atual de Gênesis, Shareder ganhará mais destaque ao se aproximar de José (Juliano Laham). Nos capítulos da semana passada, o copeiro foi preso acusado de envenenar o faraó. Na prisão, reencontrou o hebreu, com quem tinha trabalhado em uma plantação. O filho de Israel (Petrônio Gontijo) interpretou um sonho do colega e pediu ajuda em troca: que ele fale de sua detenção injusta para Sheshi.

Nos próximos dias, o cozinheiro poderá retribuir o apoio que ganhou do hebreu. O amigo fará a ponte entre José e Sheshi, que terá um sonho desvendado pelo jovem. Por acertar na interpretação, o rapaz se tornará um homem de confiança do soberano. “Após uma série de acontecimentos, Shareder e José ficarão muito amigos. Meu personagem vira o braço direito quando ele se torna governador do Egito”, adianta.

Por estar presente na reviravolta de José e viver um casamento conturbado com Herit, Shareder será um dos destaques das próximas semanas de Gênesis. Verlings entrega que seu egípcio ganhou até um musical no folhetim.

“Nunca tinha vivido essa experiência. Meu musical é bem triste, mas vai ser muito legal porque a música será lançada no Spotify e na trilha sonora da novela. Fiquei um mês aprendendo a música e ensaiando. Foi um trabalho lindo demais”, comemora.

Gênesis é uma adaptação livre do primeiro livro da Bíblia. O folhetim é dividido em sete fases, e, atualmente, a Record exibe a sétima: José do Egito. Além dos spoilers, o Notícias da TV publica o resumo da novela bíblica.

Veja fotos e vídeos de Paulo Verlings em Gênesis:
https://www.instagram.com/p/CVBoYTyJRsT/?utm_source=ig_embed&ig_rid=b3a459c7-4ed4-43a9-ac6a-bb090ff727fe
https://www.instagram.com/p/CVAiSpvMK37/?utm_source=ig_embed&ig_rid=4f6b0d25-4618-445e-922b-62b5129d0029