Pior do que PM e caminhoneiros, vem aí a greve dos entregadores! "Entregadores de aplicativo protestam na Esplanada e sinalizam greve"

Motoboys de todo o Brasil se reuniram na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, nesta terça-feira (12/9), para protestar por melhores salários e condições de trabalho justas. A manifestação, que ocorreu em frente ao Ministério do Trabalho, teve a participação da Associação dos Motofretistas Autônomos do DF (Amae-DF) e destacou a importância de reformas no setor de entregas.

Ameaça de greve

Caso não recebam propostas aceitáveis do governo federal e das empresas do setor de delivery, especialmente da gigante iFood, os motoboys ameaçam entrar em greve nacional a partir de segunda-feira (18/9). A decisão de greve é vista como um último recurso para chamar a atenção para as questões críticas enfrentadas por esses trabalhadores.

Precarização das condições de trabalho

Diego Dutra, um dos líderes do movimento, enfatizou a situação dramática dos motoboys: “A precarização das condições de trabalho e salários atravessa a nossa vida. E de certa forma, no limite, coloca a nossa vida em risco”. A falta de condições adequadas de trabalho e a pressão por longas jornadas têm impactos sérios na vida desses profissionais.

Luta por direitos justos

Além de buscar melhores salários, os motoboys estão batalhando por condições justas de trabalho, incluindo a flexibilidade das jornadas. Eles também demandam o direito a um dia de descanso por semana, algo essencial para manter a saúde física e mental em dia.

Proposta de regulamentação

Para a regulamentação do trabalho, a categoria apresentou a proposta de um salário fixo de R$ 35 por hora. Eles argumentam que as sugestões dos empregadores não atendem às suas necessidades e que é fundamental estabelecer um valor fixo, semelhante ao que é praticado em contratos com pizzarias.

Com cerca de 45 mil motoboys circulando nas ruas do DF e 1,8 milhão em todo o Brasil, a categoria não está disposta a ceder. Um dos líderes do movimento declarou: “O governo e as empresas estão nos empurrando com a barriga. Este é o último protesto. Se não recebermos uma proposta aceitável, dia 18 vai ter paralisação nacional. Vamos começar a brecar tudo, sem data para voltar”.

Posição das Empresas

O iFood, uma das empresas mais visadas pelos manifestantes, afirmou que quem responde pelo setor é a Amobitec, representante de diversas empresas do segmento. Até o momento, não houve resposta oficial por parte da Amobitec em relação às demandas dos motoboys. O Ministério do Trabalho também foi contatado, e aguardamos uma resposta oficial.

Seja qual for o desfecho dessa luta, fica claro que os entregadores do iFood e de outras plataformas estão determinados a buscar melhorias significativas em suas condições de trabalho.

FONTE: VÍDEO: Entregadores de aplicativo protestam na Esplanada e sinalizam greve - Seu Passatempo

Up pra maior greve do país