PMs sem mandado prendem homem em casa sob suspeita de atirar ovos em bolsonaristas em BH

Um morador de um prédio da região central de Belo Horizonte foi preso pela Polícia Militar de Minas Gerais dentro de casa e sem mandado judicial por suspeita de atirar ovos contra manifestantes bolsonaristas no último sábado (1º).

Um vídeo mostra o momento da prisão, que ocorre com a presença do deputado estadual Bernardo Bartolomeo Moreira (Novo-MG), conhecido como Bartô, apoiador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O vídeo mostra que, na ação, pelo menos três policiais militares se posicionam dentro do apartamento.

O morador levado preso é Filipe da Fonseca Cezário, 32, analista de segurança da informação, que saiu algemado de casa por volta das 12h e foi levado na traseira de um camburão para a Central de Flagrantes, onde foi ouvido e liberado sete horas depois.

Enquanto aguardava para prestar depoimento, chegou a ficar algemado a um banco.

Filipe, que mora no 11º andar de um prédio na avenida Afonso Pena, diz que os policiais chegaram à sua porta juntamente com o deputado sem nem mesmo terem tocado o interfone.

“Bateram na porta. Eu disse que não abriria. Vi pelo olho mágico que eles foram para outro apartamento. Decidi abrir a porta e chamá-los para entrar, mas avisei para o deputado ficar do lado de fora.”

Os policiais entraram e um deles, identificado como tenente Oliveira, começou a fazer perguntas a Filipe, conforme relata o analista. “Mostrei a casa toda para ele. Então, o policial me disse que o crime estava materializado e que eu seria levado. Que tinha testemunha.”

A partir desse momento, a namorada de Filipe, a estudante de odontologia Andreza Francis, 33, passa a filmar a ação policial. As imagens mostram o tenente pedindo de forma ríspida que Filipe entregasse o celular à namorada.

O analista falava ao telefone com uma amiga advogada, que queria saber o motivo da prisão. Filipe, a pedido da advogada, pergunta ao tenente o motivo pelo qual seria levado. O policial não responde e apenas repete “passa o telefone para ela”.

Um outro PM, identificado como sargento Vieira, aparece no vídeo. Ao ser algemado, o analista diz “tá machucando”. “Ponha as mãos para trás ou vai machucar”, diz um dos policiais. “Obedece a minha ordem”, afirma o tenente Oliveira.

Ao saírem, é possível ver Bartô à porta, juntamente com outros policiais. O parlamentar inicia discussão com a namorada de Filipe. Bartô diz que ouviu relatos de que ovos estavam sendo atirados da janela. Andreza responde: “Tem câmera. Não tem problema”. E afirma que pegará as imagens.

Uma outra moradora aparece e diz que “da outra vez” sabia que alguém do 11º andar também havia lançado ovos contra manifestantes pró-Bolsonaro. A mulher, porém, não afirma se tratar de Filipe ou Andreza.

Filipe relata que acompanhou a manifestação de sua janela, e que, em determinado momento, viu um grupo de pessoas apontando para cima. “Gritei fora Bolsonaro”. Logo em seguida, apareceram à sua porta o deputado e os policiais.

O analista disse ainda que, na abordagem dentro de sua casa, o tenente Oliveira afirmou ser advogado e ter pós-graduação. Filipe disse que o PM chegou a falar por telefone com sua amiga advogada, e que o tenente perguntou: “Você quer me ensinar a fazer o meu trabalho?”.

Segundo Filipe, o tenente Oliveira afirmou também que havia chegado uma ordem da central determinando sua prisão. No depoimento, o analista de segurança negou que alguém tenha lançado ovos contra a manifestação a partir de seu apartamento.

A Folha acionou a Polícia Civil para questionar as condições nas quais Filipe aguardou para prestar depoimento no Centro de Flagrantes.

A resposta foi que a reportagem deveria procurar a Polícia Militar. A Folha também tentou ter acesso ao boletim de ocorrência que a PM fez na abordagem de Filipe dentro de sua residência. A corporação, no entanto, pediu que um email fosse enviado ao setor de comunicação, o que foi feito.

Em resposta, por meio de nota, a PM afirmou que “quanto ao fato consultado, a Polícia Militar de Minas Gerais, por intermédio do Comando de Policiamento da Capital, esclarece que foi instaurado um procedimento administrativo para verificar às circunstâncias que ensejaram a prisão em questão”.

Também em nota, o deputado Bartô afirmou que “durante a caminhada pacífica em comemoração ao Dia do Trabalho os manifestantes foram surpreendidos com atos de agressão. Ovos, sacos de água, fezes e outros objetos foram atirados de um prédio na avenida Afonso Pena, no centro de Belo Horizonte”.

O parlamentar disse ainda que a PM foi acionada para garantir a integridade física dos manifestantes e que “apenas acompanhou o trabalho dos policiais militares e as testemunhas com intuito de orientar e dar tranquilidade na ação”.

A Ditadura

1 curtida

Que ridículo. Reizinho que não fez nada de errado.

gente, eu queria muito morar em um prédio em uma avenida principal, pra poder fazer o mesmo, eu iria fazer pior na verdade, iria cagar neles kkkkkkkkkkkkkkkkk

Nossa, já é a segunda vez que isso acontece num curto espaço de tempo

1 curtida

Faria o mesmo , mas porem usaria ovos podres

Eu jogaria bosta mesmo

Pedir golpe de Estado: ok
Jogar ovo: não não não

Ainda por cima dinheiro público sendo jogado no lixo tendo que pagar esses merdas pra fazer essa palhaçada porque não aguentam ouvir que estão errados e são patéticos

polícia militar é um câncer nesse país
resquício da ditadura que se acham semi-deuses

1 curtida

a polícia militar tá toda aparelhada pelos ideais bolsonarista, infelizmente. começa assim, né…

2 curtidas

O ovo da serpente do fascismo. Mas foram espertos em filmar tudo e contatar logo uma advogada, agora que entrem com processo e a imprensa fique em cima para saber a PUNIÇÃO administrativa que esses policiais militares merecem por abuso de poder.

esse país é uma chacota sem fim

E é óbvio que os PMs vão alegar que foi flagrante para não ter mandado judicial, o crime flagrante de tacar ovos em bolsominions, mas nem isso pelo jeito vão conseguir provar


PM né