Presidente do PSDB em Goias defende aliança com o PT para derrotar Caiado

Presidente do PSDB em Goiás, o ex-governador José Eliton assume a possibilidade de uma aliança com o PT no Estado para enfrentar Ronaldo Caiado (DEM) na disputa pelo governo em 2022. Eliton afirma que esse não é um assunto que chegou a ser discutido formalmente no diretório, mas elogiou o encontro entre os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na semana passada e defendeu uma frente ampla para combater Jair Bolsonaro (sem partido) e o atual governador do Estado.

Para o líder do PSDB em Goiás, o encontro entre os ex-presidentes foi “exemplo de maturidade política”. “Exemplo de que você pode divergir em diversos pontos, mas tem a consciência de que valores outros são importantes. Então o Fernando Henrique dá um exemplo inclusive ao PT, que tantas vezes o agrediu. Mas ele teve essa disponibilidade de dialogar, de buscar essa frente ampla dentro de um princípio de reconstrução nacional”, disse.

Eliton argumentou ainda que o encontro entre os ex-presidentes, na sua visão, não se trata de uma aliança eleitoral em um primeiro turno, como foi destacado pelo próprio FHC. “Mas como uma visão conjuntural, buscando pavimentar uma aliança ampla, que é o que eu tenho defendido também no âmbito estadual.”

O presidente disse que o apoio em um provável segundo turno entre Lula e Bolsonaro ainda não é uma questão discutida dentro do partido. “Mas a minha posição pessoal é de que se sobrarem ao Brasil no segundo turno essas opções, eu não terei dúvida, meu voto e meu trabalho será pela eleição do presidente Lula”, disse.

Em Goiás, Eliton afirma que quer unir quem esteja no campo de oposição aos projetos de Bolsonaro e Caiado. O que inclui o PT. “(Os projetos de Caiado e Bolsonaro) são muito parecidos, característicos de políticas autoritárias, de ausência de capacidade de diálogo e numa linha de choque contra aqueles que divergem deles”, explicou.

É dentro desse contexto que Eliton confirma o interesse no diálogo com o PT em Goiás, que foi por muito tempo o principal partido opositor do PSDB no âmbito nacional. “Acho que é possível construirmos uma aliança. Ainda que não seja possível no primeiro turno, tenho a impressão de que é possível pavimentar essa aliança nas mesmas bases que acho que foi objeto da discussão entre os ex-presidentes.”

O ex-governador afirma que não se trata de um debate pragmático em torno da viabilidade eleitoral dessa aliança. E diz que o assunto sequer foi discutido formalmente no Estado. Mas, pessoalmente, defende a união considerando que o PT e o PSDB possuem tradição democrática, apesar de divergências em alguns pontos. “Temos visões até opostas em alguns aspectos, mas também temos muitas convergências”, acrescentou.

O tucano não descarta uma aliança já no primeiro turno com o PT, por meio de uma coligação, apesar de reiterar que o PSDB terá candidato próprio em 2022. Entre os nomes mais cotados para disputar a cadeira de governador do Estado, Eliton afirma que há um clamor interno no partido para que Marconi saia candidato, apesar de este já ter dito que vai pleitear o cargo de deputado federal.

Segundo ele, um outro nome que pode sair candidato a governador de Goiás pelo PSDB é o do presidente da Associação Pró-Desenvolvimento Industrial do Estado de Goiás (Adial), Otávio Lage. “Acho que é um nome altamente qualificado. Mas temos diálogo com outras forças partidárias em Goiás, incluindo aquelas que podem vir para o partido, e diversos segmentos da economia, da medicina, que a gente pode trabalhar para lançar. Porém nesse momento queremos discutir projetos e ideias, os nomes serão consequência disso.”

Além do PT, Eliton defende que o PSDB se una a todo partido que seja oposição a Caiado e a Bolsonaro. Ele diz, por exemplo, que quer manter o diálogo com o MDB, de quem o partido foi o polo oposto em Goiás desde o seu surgimento, mas que a possibilidade da sigla apoiar o atual governador os afasta. “Temos uma posição definida e é a partir disso que vamos para o diálogo com outros partidos. No momento adequado vamos colocar esse tema para deliberação do partido.”

Em existe chance de tirar o Caiado?