Rap Mais: Jack Harlow lançou seu novo álbum e deixou bem claro onde ele quer chegar, apesar não ter conseguido ainda

Jack Harlow lançou seu novo álbum e deixou bem claro onde ele quer chegar, apesar não ter conseguido ainda

Com seu nome em alta na cena atual, Jack Harlow não conseguiu capitalizar em cima desse hype com “Come Home The Kids Miss You” mas isso não quer dizer que o álbum é ruim, muito pelo contrario, ele não atinge seu potencial total mas mostra onde o rapper pode chegar na cena. Jack Harlow estabelece sua persona no disco, e a essência de sua personalidade pública se resume a uma coisa: charme e ótimas rimas.

Além de exalar uma afabilidade alegre que o tornou um galã para as mulheres de todo o mundo, seu senso de humor discreto e a aparente falta de vontade de levar qualquer aparição na mídia muito a sério significa que ele tem muito da base de ouvintes masculinos do hip-hop em seu lado também.

Juntamente com seu respeito e amor pela cultura do hip-hop e o fato de que ele literalmente perseguiu esse sonho desde a adolescência, o produto final é um artista apoiado por uma grande gravadora. Assim, as semanas que antecederam o lançamento de seu segundo projeto de estúdio pareciam um desfile prolongado para um homem que seria rei.

Lançado na estratosfera por sua participação em “Industry Baby” de Lil Nas X e uma sucessão de momentos virais, a excitação febril ao seu redor se espalhou a tal ponto que até Kanye West o colocou em seu “top 5 do momento” e chamando sobre seus serviços para DONDA 2. Então, em clipes promocionais dos bastidores que levaram ao lançamento do disco, Pharrell falou de uma colaboração entre os dois como “histórica”.

Com um alto grau de expectativa por trás disso, todas as peças estavam prontas para que Jack não apenas entregasse um dos projetos de mais destaque do ano, mas um álbum que o afirmasse oficialmente como o herdeiro do domínio do pop-rap. Em vez disso, Come Home The Kids Miss You, está longe do disco que ele poderia entregar.

O tema central de todo o álbum é resumido na introdução de “Talk Of The Town”, com influência de piano, com Jack proclamando quem ele é atualemente. Lamentando a dualidade entre novos níveis e novos demônios, o flow discreto de Jack é emparelhado com o primeiro de muitos samples de faixas icônicas do passado na forma de Destiny’s Child com seu lendário single de estreia “No, No No”. Mas onde essa jogada de abertura teria funcionado perfeitamente como a calmaria antes da tempestade, a onda de energia esperada nunca chega.

Quando ele não está discutindo os perigos da fama, o outro foco de Jack no álbum é, sem dúvida, sua vida romântica e uma faixa em que ele está claramente satisfeito é “Side Piece”, as coisas parecem muito mais orgânicas nesse som.

Sem dúvida capaz de flutuar sobre o par de batidas suntuosas de que a faixa é composta, “Side Piece”, embora inerentemente audível, aponta para um dos pontos-chave do disco em que sua lírica muitas vezes parece complacente, ou no próprio pelo menos, inconsistente, de uma forma que um álbum de estúdio vital como este simplesmente não deveria. Como resultado, letras bem construídas são forçados a coexistir com instâncias em que ele parece estar rimando piadas não relacionadas que não têm relação com o assunto da faixa.

Entre os destaques do disco, “Dua Lipa”, “Nail Tech”, “Churchill Downs” e ‘First Class” atestam o que Jack pode fazer quando combina seu carisma com uma boa produção e compassos finos. Da mesma forma, o canto envolvente e comovente de “Lil Secret” o vê explorar agudamente as complicações que o estrelato traz para uma faísca romântica de uma maneira que garantirá que seu status digno de desmaio entre as mulheres permaneça intacto.

Com tantas conjecturas sobre se ele tem a capacidade de atuar como herdeiro de Drake , não deve ser surpresa que “Churchill Downs” seja uma parte do álbum que parece um momento real e tangível para o hip-hop em geral. Invocando o ambiente esfumaçado daquelas ofertas clássicas de Drake que parecem como se você tivesse uma janela para seus pensamentos em um momento de profunda reflexão, Harlow vai bem ao lado das rimas do 6 God.

Fechando o projeto com “State Fair”, em que Jack examina seu reino e anseia por vezes antes de ter “câmeras em seu rosto”, serve como uma conclusão empolgante e instrumentalmente rica para um projeto que muitas vezes parece estar no piloto automático e talvez se destinasse a ser fragmentado em playlists, em vez de ser ouvido como uma declaração coesa.

Quando o single principal e duradouro do disco, “Nail Tech”, surgiu, e Jack proclamou que “ainda não estou no topo dessa merda, mas sou esse cara”, parecia quase profético. Mas uma vez que Come Home, The Kids Miss You chega ao fim, é difícil não ficar desapontado.

Embora seja o suficiente para manter seus fãs mais dedicados encantados e não seja de forma alguma uma farsa, o último álbum de Jack acaba sofrendo com o peso da expectativa. Em vez de tocar as alturas aparentemente inatacáveis ​​de seu ídolo e mentor recém-descoberto Drake, o que deveria ter sido a última tentativa de Harlow de um álbum de sucesso é assolado pela sensação persistente de que deveria ter oferecido algo mais.

@Criticos @Rappers

rapmais agora deu de fazer critica??? kkkkkkk que piada
mais biased que esse portal amador impossivel

1 curtida

Kkkkkkkk

E teve um engajamento super alto pelo que vi ali no post.

quer chegar ao fundo do poço

realidade; virou chacota por ser ruim

continua postando fotos com a mala marcando que tu consegue

A tour Sold Out!

queria chegar aonde?
arruma essa cara primeiro

Amarelo melhor que vermelho

que mico
eles são um lixo

387 curtidas a materia! Nem sabia que tanta gente entra nesse site

1 curtida

Arruma a sua primeiro

to de boa

não vou ler tudo
resume ai onde ele quer chegar

esse portal de fãs do DaBaby eh provavelmente o maior de hip hop no Brasil

que MERDA de review kkkk album pavoroso

iggy azalea de calças

Nao sabia

eles falando q o album eh decepcionante por ter muita expectativa
so por colocar alguma expectativa no Jack Harlow ja diz tudo