SCOOBY-DOO, CADÊ VOCÊ? Pfizer NEGA venda de vacinas a empresários em BH. De onde vieram? Eis o mistério

Reportagem da revista piauí informa que um grupo de empresários de Minas, ligado ao setor de Transportes, teria conseguido comprar vacinas da Pfizer, recebendo o imunizante ao arrepio da legislação vigente no Brasil.

A Pfizer Brasil acaba de divulgar uma nota em que nega que tenha efetuado a venda das vacinas. Segue a íntegra.

Em relação às supostas doses da vacina COMIRNATY, contra a COVID-19, aplicadas em Belo Horizonte, esclarecemos: - A Pfizer nega qualquer venda ou distribuição de sua vacina contra a COVID-19 no Brasil fora do âmbito do Programa Nacional de Imunização. O imunizante COMIRNATY ainda não está disponível em território brasileiro. - A Pfizer e a BioNTech fechararam um acordo com o Ministério da Saúde contemplando o fornecimento de 100 milhões de doses da vacina contra a COVID-19 ao longo de 2021.

Pfizer Brasil

RETOMO Quem conhece as graves responsabilidades de uma empresa da dimensão da Pfizer tem razões para acreditar que o comunicado fala a verdade, o que só faz aumentar, então, o mistério. De onde teriam surgido as vacinas?

Mas houve mesmo vacinação? Reproduzo trecho da reportagem: "Segundo pessoas que se vacinaram na ocasião, os organizadores foram os irmãos Rômulo e Robson Lessa, donos da viação Saritur. Uma garagem de uma empresa do grupo foi improvisada como posto de vacinação. A Piauí telefonou e mandou mensagem para Rômulo Lessa, que não respondeu. A revista atualizará a reportagem se obtiver resposta.

O ex-senador Clésio Andrade, ex-presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), foi um dos agraciados. “Estou com 69 anos, minha vacinação [pelo SUS] seria na semana que vem, eu nem precisava, mas tomei. Fui convidado, foi gratuito para mim”, disse ele à piauí."

Não é, como se nota, uma
reportagem com base no “ouviu-se dize que…” Um dos vacinados confessa ter recebido o imunizante.

Ou já há, então, um mercado paralelo de vacinas, desviadas de compradores legais, ou, sei lá, aquilo que foi aplicado em Clésio era um sorinho inócuo…

O Congresso aprovou, de fato, uma lei que permite a compra de vacinas pela iniciativa privada. Até que não se imunizem os grupos de risco, tudo deve ser entregue ao SUS. Vencida essa etapa, 50% dos lotes eventualmente comprados devem ser doados ao poder público.

Qualquer outra compra, portanto, é ilegal.

Estamos, pois, diante de um mistério.

Será que eles compraram uma vacina falsa?

A agua de chuca que compraram

Pfizer fazendo a sonsa

a vacina com água da chuca do bilibe

Sei não viu
Tá estranho isso

Deve ser a mesma vacina que tava sendo vendida em Madureira

1 curtida

gente? corram mineiros

Espero que sim

1 curtida

até já imagino quem tenham sido estes ratos

Tomaram soro achando que é vacina.

Dezenas de países querendo essa vacina mais que ouro, inclusive super potências da Europa. E a Pfizer vai vender pra roceiros do Brasil por 100 dólares e faturar uma mixaria kkkkkkk Se eles compraram mesmo deve ter sido alguma falcatrua q nem a empresa envolve.

2 opções

  1. comprou vacinas roubadas (crime)
  2. tomou vacinas falsas (enorme risco para a saúde)

1 curtida

espero que tenham recebido cloroquina liquida