SP no buraco | Primeiro orçamento de Tarcísio prevê R$ 10 bi a menos em investimentos

A proposta orçamentária do governo Tarcísio de Freitas (Republicanos) para 2024 prevê a redução de quase R$ 10 bilhões na verba destinada a investimentos em relação ao orçamento deste ano.

O Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2024, o primeiro de Tarcísio como governador de São Paulo, prevê orçamento estadual de R$ 328 bilhões. Do total, R$ 21,2 bilhões serão destinados a investimentos, valor 31% inferior aos R$ 30,8 bilhões reservados para 2023.

O valor destinado a investimentos para este ano foi considerado recorde pelo próprio governo estadual. Procurada pelo Metrópoles, a Secretaria da Fazenda enviou uma nota explicando que as estimativas foram estabelecidas com base “nas projeções mais recentes”.

Além disso, a pasta afirma que novos projetos podem ser contemplados “caso haja uma melhora no cenário econômico e avanços na questão tributária”.

Ao enviar o PLOA à Assembleia Legislativa (Alesp), na última segunda-feira (2/10), Tarcísio destacou que o seu Programa de Parcerias em Investimentos (PPI) é voltado para acrescentar “mais recursos e tecnologias” às iniciativas de governo.

Privatizações de Tarcísio

O governo destacou que investirá, no próximo ano, em uma série de serviços que já foram concedidos à iniciativa privada uu estão em processo de privatização, como as obras da Linha 6-Laranja e 17-Ouro do Metrô, a retomada de obras do Trecho Norte do Rodoanel e o desenvolvimento do trem intercidades, que ligará a capital paulista a cidade de Campinas, no interior.

Nessa terça (3/10), o pacote de privatizações de Tarcísio – que inclui o Metrô, a CPTM e a Sabesp – motivou a paralisação de funcionários das três companhias na capital. A greve fechou sete linhas de trem e metrô, provocou caos e trânsito pela cidade, e foi duramente criticada pelo governador. Os sindicatos das categorias foram multados em R$ 3,5 milhões pela Justiça do Trabalho.

Maiores orçamentos

As secretarias de maior orçamento para 2024 são, assim como em 2023, Educação e Saúde, com R$ 31,9 bilhões e R$ 30 bilhões, respectivamente.

Enquanto as constituições federal e estadual preveem que 12% do orçamento total devem ser destinados à Saúde, os percentuais dedicados à Educação são distintos. No caso da Constituição Federal, o piso para a área é de 25%. Já no Estado, o valor deve corresponder a pelo menos 30%.

Ainda em 2023, o governo Tarcísio vai enviar à Alesp uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para remanejar esses 5% “extras” do orçamento da Educação para a Saúde. O argumento da gestão é o de que um aumento nas despesas com Saúde poderia reduzir as filas por exames e cirurgias, por exemplo, sem descumprir o piso de 25% que devem ser destinados à Educação de acordo com a lei federal.

Para a Secretaria da Segurança Pública (SSP), a proposta do governo prevê R$ 18 bilhões, enquanto as áreas de Habitação e Transportes Metropolitanos terão R$ 1,6 bilhão e R$ 15,7 bilhões, respectivamente.

Pela primeira vez, o governo estadual passou a incluir o pagamento do déficit previdenciário exclusivamente na SPPrev, autarquia responsável por gerir as aposentadorias da administração paulista, e não mais nas secretarias de governo.

O PLOA precisa ser aprovado pela Alesp até o dia 31 de dezembro. O orçamento total aprovado para 2023 foi de R$ 317 bilhões, cerca de R$ 11 bilhões a menos do previsto pelo governo Tarcísio para o ano que vem.

Se afetar minha faculdade eu vou fazer uma mandinga bem forte para esse cara de choquito

parabens sp por escolher um carioca para mexer aqui

esse cara é muito ruim plmdds
mas tá sendo massacrado, tbm
acho é pouco

Agora que o Dória é Luler, vamos todos twittar:

VOLTA DÓRIA

Apenas na região metropolitana.
Interior ele segue sendo idolatrado, e vai focar nele pra mantar o rebanho bem marcado.

Espero que ele estregue o interior rs
Bando de velho fascista precisa se foder.