Thaila Ayala relembra depressão na gravidez: "Passei por isso muito sozinha"

Thaila Ayala é mãe de Francisco, seis meses, fruto do seu casamento com Renato Góes. Nas redes sociais, a atriz já desabafou algumas vezes sobre as dificuldades passadas na gravidez e maternidade que até então não tinha conhecimento.

Como mãe de primeira viagem, Thaila afirma que sentiu muita falta de ouvir relatos de mulheres falando sobre depressão na gravidez, mesmo quando a gestação foi desejada e planejada.

“Eu tive e eu não sabia que tantas outras mulheres também passam por isso, que é algo que acontece, como a depressão pós-parto. Sobre a depressão pós-parto, eu já ouvi falar muito, sobre o puerpério. Mas sobre a depressão durante a gravidez eu não ouvi falar, não chegou até mim de nenhuma forma. Então, quando eu passei por isso, eu passei por isso muito sozinha e com uma culpa muito grande. Eu senti falta de mulheres falando sobre isso especificamente. Depois, eu comecei a ouvir e entender que é uma coisa que acontece com outras mulheres, não era algo só comigo. Mas só fui ouvir isso depois que já estava passando”.

Thaila Ayala considera importante falar de momentos difíceis da maternidade

Em conversa com o NaTelinha, a atriz destaca a importância de se falar com naturalidade sobre o tema e não apenas romantizar o momento, que é intenso e único na vida de uma mulher, mas também exaustivo e muitas vezes complicado.

“Acho que é de extrema importância falar dos momentos difíceis. Porque muito se fala dos momentos maravilhosos, ou se mostra em rede social… Os momentos maravilhosos existem mesmo e são tudo isso. Mas realmente os momentos as dificuldades ainda não se comenta tanto. Já estamos falando mais, mas ainda é pouco, ainda existe muito julgamento. O julgamento entre mulheres é muito grande. Mães continuam sendo apontadas por sua individualidade, pelas suas dificuldades”, opina.

Thaila diz que que quanto mais se expõe, mais se mostra que também existe esse lado, o que possibilita a abertura de um diálogo e mais acolhimento para essas mulheres.

“Mostrar que pode existir esse lado, que não necessariamente as mães sentem as mesma coisas, passam pelas experiências do mesmo jeito. Pelo contrário, as mães nunca sentem a mesma coisa. Cada mãe sente de uma maneira diferente porque vem de um lugar diferente. Quanto mais for falado, menos dolorido é pedir ajuda, menos dolorida é a solidão da maternidade, que existe. Acho que de certa forma você falar sobre isso é amparar de alguma forma essas mulheres que estão passando por isso sozinhas”.

Além da depressão, a atriz passou por problemas de saúde na reta final da gestação de Francisco e precisou ficar em repouso absoluto.