Vidro estranho encontrado no Atacama foi criado por um impacto de um cometa de 12.000 anos atrás

Cerca de 12.000 anos atrás, algo queimou uma vasta área do Deserto do Atacama no Chile com um calor tão intenso que transformou o solo arenoso em extensas placas de vidro de silicato. Agora, uma equipe de pesquisa que estuda a distribuição e composição desses vidros chegou a uma conclusão sobre o que causou o inferno.

Em um estudo publicado na revista Geology , os pesquisadores mostram que as amostras de vidro do deserto contêm pequenos fragmentos com minerais frequentemente encontrados em rochas de origem extraterrestre. Esses minerais correspondem de perto à composição do material retornado à Terra pela missão Stardust da NASA, que amostrou as partículas de um cometa chamado Wild 2. A equipe conclui que esses minerais são provavelmente os restos de um objeto extraterrestre – provavelmente um cometa com uma composição semelhante ao Wild 2 – que desceu após a explosão que derreteu a superfície arenosa abaixo.

“Esta é a primeira vez que temos evidências claras de vidros na Terra que foram criados pela radiação térmica e ventos de uma bola de fogo explodindo logo acima da superfície”, disse Pete Schultz, professor emérito do Departamento de Terra, Meio Ambiente e Planetário da Brown University Ciências. “Para ter um efeito tão dramático em uma área tão grande, esta foi uma explosão verdadeiramente massiva. Muitos de nós já vimos bolas de fogo de bólido cruzando o céu, mas esses são pequenos pontos comparados a isso.”

Os vidros estão concentrados em manchas ao longo do Deserto de Atacama, a leste de Pampa del Tamarugal, um planalto no norte do Chile situado entre a Cordilheira dos Andes a leste e a Cordilheira Costeira do Chile a oeste. Campos de vidro verde escuro ou preto ocorrem dentro de um corredor que se estende por cerca de 75 quilômetros. Não há evidências de que os vidros possam ter sido criados por atividade vulcânica, diz Schultz, então sua origem é um mistério.

Alguns pesquisadores postularam que o vidro era resultado de incêndios antigos na grama, já que a região nem sempre foi deserta. Durante a época do Pleistoceno, havia oásis com árvores e pântanos gramados criados por rios que se estendiam das montanhas ao leste, e foi sugerido que os incêndios generalizados podem ter queimado suficientemente quente para derreter o solo arenoso em grandes lajes vítreas.

Mas a quantidade de vidro presente junto com várias características físicas importantes torna o fogo simples um mecanismo de formação impossível, descobriu a nova pesquisa. Os vidros mostram evidências de terem sido torcidos, dobrados, enrolados e até mesmo lançados enquanto ainda estavam na forma fundida. Isso é consistente com a chegada de um grande meteoro e uma explosão de ar, que teria sido acompanhada por ventos com força de tornado. A mineralogia do vidro lança mais dúvidas sérias sobre a ideia do incêndio na grama, diz Schultz. Junto com pesquisadores do Fernbank Science Center na Geórgia, da Universidad Santo Tomás do Chile e do Serviço de Geologia e Mineração do Chile, Schultz e seus colegas realizaram uma análise química detalhada de dezenas de amostras retiradas de depósitos de vidro em toda a região.

A análise encontrou minerais chamados zircões que foram decompostos termicamente para formar badeleíta. Essa transição mineral normalmente acontece em temperaturas acima de 3.000 graus Fahrenheit – muito mais quente do que o que poderia ser gerado por incêndios em grama, diz Schultz.

A análise também revelou associações de minerais exóticos encontrados apenas em meteoritos e outras rochas extraterrestres, dizem os pesquisadores. Minerais específicos como cubanita, troilita e inclusões ricas em cálcio e alumínio combinaram com as assinaturas minerais de amostras de cometas recuperadas da missão Stardust da NASA.

“Esses minerais são o que nos dizem que este objeto tem todas as marcas de um cometa”, disse Scott Harris, geólogo planetário do Fernbank Science Center e coautor do estudo. “Ter a mesma mineralogia que vimos nas amostras de poeira estelar incorporadas nesses vidros é uma evidência realmente poderosa de que o que estamos vendo é o resultado de uma explosão de ar cometária.”

Mais trabalho precisa ser feito para estabelecer as idades exatas do vidro, o que determinaria exatamente quando o evento ocorreu, diz Schultz. Mas a datação provisória coloca o impacto na hora certa de que os grandes mamíferos desapareceram da região.

“É muito cedo para dizer se houve uma conexão causal ou não, mas o que podemos dizer é que esse evento aconteceu na mesma época em que pensamos que a megafauna desapareceu, o que é intrigante”, disse Schultz. “Também existe a possibilidade de que isso tenha sido testemunhado pelos primeiros habitantes, que acabaram de chegar à região. Teria sido um show e tanto.”

Schultz e sua equipe esperam que pesquisas adicionais possam ajudar a limitar o tempo e lançar luz sobre o tamanho do cometa. Por enquanto, Schultz espera que este estudo possa ajudar os pesquisadores a identificar locais de explosão semelhantes em outros lugares e revelar o risco potencial representado por tais eventos.

“Pode haver muitas dessas cicatrizes de explosão por aí, mas até agora não tínhamos evidências suficientes para nos fazer acreditar que elas estavam realmente relacionadas a eventos de explosão aérea”, disse Schultz. “Acho que este site fornece um modelo para ajudar a refinar nossos modelos de impacto e ajudará a identificar sites semelhantes em outros lugares.”

Fontes:

@Astronomers

1 curtida

Achei legal a ligação do possível impacto com fim repentino da megafauna

1 curtida

ai queria ler tudo mas li 4 parágrafos e fiquei com preguiça

Acho fascinante, li um livre falando de 7 invenções do mundo moderno e tinha um capítulo falando da bomba atômica. Num dos testes em área desértica, o calor transformou o solo em vidro.

no deserto do Novo México né?

Preguiçosa -n

Isso, tem até foto.

2 curtidas

old